Gostou do artigo? Compartilhe!

Novartis informa que o omalizumabe melhorou significativamente a coceira na urticária crônica espontânea, de acordo com dados do estudo GLACIAL

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A Novartis informa os novos dados da Fase III do estudo GLACIAL que mostram que o omalizumabe melhora significativamente a coceira em pacientes com a forma grave e debilitante da urticária1 crônica espontânea (UCE). Mais de 40% dos pacientes com UCE em uso de anti-histamínicos apresentam falha no tratamento. O medicamento omalizumabe mostrou-se eficaz, seguro e bem tolerado em pacientes com UCE refratária a outros tratamentos, incluindo aqueles em uso de anti-histamínicos até quatro vezes a dose aprovada.

Os anti-histamínicos, na dose aprovada, são atualmente o único tratamento licenciado para a UCE. Orientações médicas permitem o aumento das doses de anti-histamínicos, até quatro vezes a dose aprovada, para aumentar o controle dos sintomas2 em alguns pacientes.

Os dados da pesquisa foram apresentados pela primeira vez no European Academy of Allergy and Clinical Immunology-World Allergy Organization (EAACI-WAO) World Allergy and Asthma Congress 2013, em Milão, Itália. Omalizumabe ainda não está aprovado ou indicado para a UCE.

Na 12ª semana de tratamento, os sintomas2 foram eliminados ou suprimidos em mais de um terço dos pacientes que não responderam a várias outras terapias, em comparação com 5% dos pacientes tratados com placebo3 (p <0,001). Durante o mesmo período de tempo, a proporção de doentes com sintomas2 UCE bem controlados (prurido4, urticária1) foi quatro vezes mais elevada no grupo omalizumabe em comparação com o placebo3 (52% e 12%, respectivamente, p <0,001). As melhorias significativas observadas com omalizumabe foram sustentadas durante todo o período de tratamento até a 24ª semana de acompanhamento.

O estudo também avaliou o impacto na qualidade de vida, uma medida importante, pois até 80% dos pacientes com UCE sofrem efeitos negativos sobre a sua qualidade de vida, incluindo a privação do sono e comorbidades5 psicológicas, como depressão e ansiedade. Os pacientes que recebem omalizumabe tiveram quase o dobro da melhoria em qualidade de vida medida em comparação com placebo3 (redução de 9,7 e 5,1, respectivamente, (p <0,001)), avaliada pela melhoria da linha de base no Dermatology Life Quality Index (DLQI). Isto é significativo, uma vez que no início do estudo os pacientes em ambos os grupos apresentavam uma pontuação de base de mais de 12, o que indica um forte impacto sobre a qualidade de vida do paciente. Omalizumabe reduziu o placar por quase 10 pontos na 12ª semana, diminuindo o escore DLQI para 2,3. Isto significou uma melhora acentuada na qualidade de vida dos pacientes.

Doentes tratados com omalizumabe também tiveram um aumento significativo na proporção de dias livres de angioedema6 (p <0,001). Angioedema6 é uma condição dolorosa e desfigurante apresentada por cerca de 40% a 50% dos pacientes com UCE.

Omalizumabe está sendo desenvolvido em conjunto pela Novartis e Genentech, Inc. para a UCE. Ele já está aprovado para o tratamento da asma7 grave. A Novartis disse que está no caminho para apresentar a medicação para a aprovação regulatória em pacientes com urticária1 crônica espontânea ainda este ano.

NEWS.MED.BR, 2013. Novartis informa que o omalizumabe melhorou significativamente a coceira na urticária crônica espontânea, de acordo com dados do estudo GLACIAL. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/362184/novartis-informa-que-o-omalizumabe-melhorou-significativamente-a-coceira-na-urticaria-cronica-espontanea-de-acordo-com-dados-do-estudo-glacial.htm>. Acesso em: 12 nov. 2019.

Complementos

1 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
2 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
3 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
4 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
5 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
6 Angioedema: Caracteriza-se por áreas circunscritas de edema indolor e não-pruriginoso decorrente de aumento da permeabilidade vascular. Os locais mais acometidos são a cabeça e o pescoço, incluindo os lábios, assoalho da boca, língua e laringe, mas o edema pode acometer qualquer parte do corpo. Nos casos mais avançados, o angioedema pode causar obstrução das vias aéreas. A complicação mais grave é o inchaço na garganta (edema de glote).
7 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
Gostou do artigo? Compartilhe!