Atalho: 6EZRUU4
Gostou do artigo? Compartilhe!

NEJM: indometacina por via retal pode prevenir pancreatite pós-colangiopancreatografia endoscópica retrógrada (CPRE)

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Estudo publicado pelo New England Journal of Medicine (NEJM) sugere que o uso de indometacina por via retal pode prevenir o desenvolvimento de pancreatite1 pós-colangiopancreatografia endoscópica retrógrada (CPRE) em pacientes com alto risco de desenvolver a doença, como aqueles portadores de disfunções no esfíncter de Oddi2.

Estudo clínico, multicêntrico, randomizado3, controlado com placebo4 e duplo-cego, avaliou pacientes com risco elevado de desenvolver pancreatite1 pós- colangiopancreatografia endoscópica retrógrada (CPRE).

Os pacientes receberam uma dose única de indometacina retal ou placebo4 imediatamente após a CPRE. O resultado primário foi o desenvolvimento de pancreatite1 pós-CPRE, a qual foi definida como dor na região superior do abdome5 associada a uma elevação da amilase sérica pelo menos três vezes maior que o limite superior de referência, em um intervalo de tempo de até 24 horas após realização do procedimento e hospitalização por pelo menos duas noites.

Um total de 602 pacientes foi incluído e completou o seguimento. A maioria dos pacientes (82%) teve suspeita clínica de disfunção do esfíncter de Oddi2. Após a CPRE, tinham desenvolvido pancreatite1 27 de 295 pacientes (9,2%) no grupo que recebeu a indometacina e 52 de 307 pacientes (16,9%) no grupo que recebeu placebo4 (P = 0,005). Pancreatite1 moderada a grave foi desenvolvida por 13 pacientes (4,4%) no grupo da indometacina e por 27 pacientes (8,8%) no grupo do placebo4 (P = 0,03).

Entre os pacientes de alto risco para desenvolver pancreatite1 pós-CPRE, a indometacina retal reduziu significativamente a incidência6 da doença.

Fonte: NEJM, de 12 de abril de 2012

NEWS.MED.BR, 2012. NEJM: indometacina por via retal pode prevenir pancreatite pós-colangiopancreatografia endoscópica retrógrada (CPRE). Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/294690/nejm-indometacina-por-via-retal-pode-prevenir-pancreatite-pos-colangiopancreatografia-endoscopica-retrograda-cpre.htm>. Acesso em: 26 jan. 2021.

Complementos

1 Pancreatite: Inflamação do pâncreas. A pancreatite aguda pode ser produzida por cálculos biliares, alcoolismo, drogas, etc. Pode ser uma doença grave e fatal. Os primeiros sintomas consistem em dor abdominal, vômitos e distensão abdominal.
2 Esfíncter de Oddi: Esfíncter da ampola hepatopancreática dentro da papila duodenal. O DUCTO COLÉDOCO e o ducto pancreático principal passam através deste esfíncter.
3 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
4 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
5 Abdome: Região do corpo que se localiza entre o TÓRAX e a PELVE.
6 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
Gostou do artigo? Compartilhe!