Atalho: 64P79NN
Gostou do artigo? Compartilhe!

Naproxeno e ibuprofeno são mais seguros em relação aos riscos cardiovasculares dos anti-inflamatórios, publicado pela revista PLoS Medicine

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Ensaios clínicos1 randomizados têm destacado os riscos cardiovasculares do uso de anti-inflamatórios não hormonais (AINHs) em doses elevadas. O presente estudo, publicado pela revista PLoS Medicine, fornece estimativas de risco dos AINHs em doses individuais típicas em ambientes comunitários.

Uma revisão sistemática foi realizada envolvendo estudos observacionais controlados e realizados na comunidade. Os principais eventos cardiovasculares associados ao uso individual de AINHs, em diferentes doses e em populações de baixo e de alto risco para desenvolver eventos cardiovasculares, foram avaliados. Alguns pares de drogas foram comparados nas análises. Trinta estudos caso-controle incluindo 184.946 eventos cardiovasculares e 21 estudos de coorte2 descreveram os resultados observados em mais de 2,7 milhões de indivíduos expostos. Dos medicamentos amplamente estudados (dez ou mais estudos), os maiores riscos observados foram com o rofecoxibe e com o diclofenaco. Os menores riscos foram encontrados com o uso de ibuprofeno e naproxeno. Dos medicamentos menos estudados, o etoricoxibe, o etodolac e a indometacina tiveram os maiores riscos. Nas comparações por pares de medicamentos, o etoricoxib teve um risco relativo maior do que o ibuprofeno. O naproxeno apresentou risco significativamente menor do que o ibuprofeno.

Esta revisão sugere que, entre os AINHs amplamente utilizados, o naproxeno e o ibuprofeno em baixas doses são menos prováveis de aumentar o risco cardiovascular. O diclofenaco nas doses disponíveis para compra sem prescrição médica eleva o risco. Os dados para o etoricoxib foram escassos, mas em pares de comparações essa droga tinha um risco relativo significativamente maior do que o do naproxeno ou do ibuprofeno. A indometacina é uma droga mais antiga, mais tóxica e as evidências sobre o risco cardiovascular lançam dúvidas sobre seu uso clínico continuado.

Fonte: PLoS Medicine

 

NEWS.MED.BR, 2011. Naproxeno e ibuprofeno são mais seguros em relação aos riscos cardiovasculares dos anti-inflamatórios, publicado pela revista PLoS Medicine. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/240175/naproxeno-e-ibuprofeno-sao-mais-seguros-em-relacao-aos-riscos-cardiovasculares-dos-anti-inflamatorios-publicado-pela-revista-plos-medicine.htm>. Acesso em: 19 set. 2019.

Complementos

1 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
2 Estudos de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Complementos

12/03/2012 - Complemento feito por Johnny
Re: Naproxeno e ibuprofeno são mais seguros em relação aos riscos cardiovasculares dos anti-inflamatórios, publicado pela revista PLoS Medicine
Como analgésico, Ibuprofeno é indicado para alívio temporário da dor leve a moderada associada a resfriado comum, dor de cabeça, dor de dente, dores musculares, dismenorréia, dores articulares e na redução da febre, só temos que tomar muito cuidado quando administrado em pessoas idosas e em uso de ECA e principalmente associados a digoxina, por causa da resposta a prostaglandina que estima a dor e as reações extrapiramidais quando associados as enzimas conversaras de angiotensina..Forte abraços JOhnny Rógers, Farmacologista e Citologista Clínico.

  • Entrar
  • Assinar