Atalho: 559NCB9
Gostou do artigo? Compartilhe!

ANVISA aprova o registro do Acomplia® (Rimonabanto) para o tratamento de pacientes obesos, ou com sobrepeso, e com fatores de risco cardiometabólicos associados como diabetes tipo 2 ou dislipidemia

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

 

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) aprovou o registro do Acomplia® (rimonabanto) no dia 26 de abril de 2007. Indicado para tratamento adjuvante à dieta e aos exercícios físicos em pacientes obesos (Índice de Massa Corporal1 - IMC2 - maior ou igual a 30kg/m2), ou com sobrepeso3 (IMC2 maior que 27kg/m2), e com fatores de risco associados, como diabetes tipo 24 ou dislipidemia. Produzido pelo laboratório francês Sanofi-Aventis e lançado na Europa em julho de 2006, o rimonabanto deve chegar às farmácias brasileiras entre julho e agosto deste ano.

O Acomplia® (rimonabanto) é o primeiro representante de uma nova classe terapêutica5 - os antagonistas dos receptores CB1. A aprovação do registro está fundamentada principalmente nos resultados do programa de estudos clínicos RIO, sobre avaliação da eficácia e segurança do medicamento. Esses resultados mostraram que o Acomplia®, administrado em doses únicas diárias de 20mg, permite reduzir de maneira significativa o peso, a circunferência abdominal, os índices de HbA1c6 (hemoglobina glicada7) e de triglicerídeos, bem como elevar as taxas de colesterol8 HDL9, o bom colesterol8.

Pacientes em tratamento com o remédio registraram, em um ano, uma redução na medida da cintura de 8,5 centímetros em média – o dobro do verificado entre os voluntários tratados com placebo10.

O principal efeito colateral11 é o enjôo. Também foram observados casos de diarréia12, tontura13 e vômitos14. Pessoas com propensão à depressão relataram um agravamento do quadro.

Fonte: Anvisa

Leia matérias relacionadas:

FDA não libera aprovação do Rimonabanto e discute seus efeitos colaterais15 psiquiátricos e neurológicos

Rimonabanto: êxito simultâneo no combate à obesidade16 e na diminuição de riscos cardiovasculares

Confira material de apoio ao paciente: Sou obeso e quero mudar esta realidade

 

NEWS.MED.BR, 2007. ANVISA aprova o registro do Acomplia® (Rimonabanto) para o tratamento de pacientes obesos, ou com sobrepeso, e com fatores de risco cardiometabólicos associados como diabetes tipo 2 ou dislipidemia. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/11186/anvisa-aprova-o-registro-do-acomplia-rimonabanto-para-o-tratamento-de-pacientes-obesos-ou-com-sobrepeso-e-com-fatores-de-risco-cardiometabolicos-associados-como-diabetes-tipo-2-ou-dislipidemia.htm>. Acesso em: 23 set. 2019.

Complementos

1 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
2 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
3 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
4 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
5 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
6 HbA1C: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
7 Hemoglobina glicada: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
8 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
9 HDL: Abreviatura utilizada para denominar um tipo de proteína encarregada de transportar o colesterol sanguíneo, que se relaciona com menor risco cardiovascular. Também é conhecido como “Bom Colesterol”. Seus valores normais são de 35-50mg/dl.
10 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
11 Efeito colateral: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
12 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
13 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
14 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
15 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
16 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
Gostou do artigo? Compartilhe!