Atalho: 56CM00Q
Gostou do artigo? Compartilhe!

OMS muda recomendações de terapia antiretroviral para o HIV

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Há uma estimativa de que 33,4 milhões de pessoas estão vivendo com HIV1/AIDS, com uma incidência2 anual de aproximadamente 2,7 milhões. A Organização Mundial de Saúde3 (OMS) estima que desde de que o tratamento efetivo para o HIV1 se tornou disponível em 2006, cerca de 2,9 milhões de vidas foram salvas.

Os protocolos sobre terapia antiretroviral foram primeiramente publicados em 2002, resumidos e simplificados em 2003 e atualizados em 2006. Agora, as novas recomendações são baseadas nos dados disponíveis mais atuais.

As principais modificações nas recomendações da OMS para a terapia antiretroviral (TAR) são:

  • A última orientação da OMS, feita em 2006, sugeria que os portadores do vírus4 iniciassem o tratamento assim que seus níveis de células5 T CD4 (célula6 de defesa) fossem iguais ou inferiores a 200 células5 por milímetro cúbico de sangue7. De acordo com a nova recomendação, o tratamento para adultos e adolescentes HIV1 positivos deve começar mais precocemente, quando a contagem for igual ou inferior a 350 células5 por milímetro cúbico de sangue7. A nova diretriz serve para todos os pacientes com HIV1, inclusive grávidas, independente da presença ou ausência de sintomas8 da doença. Esta nova diretriz tem como base que o início precoce da TAR estimula o sistema imune9, diminui o risco de mortalidade10 e morbidade11 associados ao HIV1 e também reduz o risco de transmissão de HIV1 e tuberculose12.
  • Efeitos colaterais13 irreversíveis e de longo prazo, como a neuropatia periférica14 e a lipodistrofia15 (perda de gordura16 corporal), estão presentes com o uso da Estavudina (d4T), droga usada amplamente em países em desenvolvimento por sua disponibilidade e baixo custo. A OMS recomenda que a estavudina seja, na medida do possível, substituída pela Zidovudina (AZT) ou pelo Tenofovir (TDF).
  • Para prevenir a transmissão de mães HIV1 positivas para seus filhos, a OMS recomenda que a TAR deva ser iniciada mais cedo na gravidez17 (com 14 semanas de gestação) e continuar até que a amamentação18 tenha se encerrado. É uma mudança em relação a 2006, que dizia para iniciar a TAR no terceiro trimestre da gestação, começando na 28ª semana da gravidez17.
  • A OMS recomenda que a amamentação18 siga até 12 meses de vida, desde que mães HIV1 positivas ou crianças  recebam a TAR durante este período. Duas alternativas para mulheres HIV1 positivas que estão amamentando e não estão recebendo TAR são:
     
    • Para mulheres que receberam AZT durante a gravidez17, Nevirapina está recomendada diariamente para a criança, do nascimento até o final da amamentação18.
    • Para as mulheres que receberam esquema de 3 drogas durante a gravidez17, o regime deve ser mantido até que a amamentação18 se complete.

Existem dois desafios principais. O primeiro é disponibilizar os medicamentos para alguns países com recursos limitados. O segundo é fazer com que mais pessoas façam testes de HIV1 de maneira voluntária e recebam aconselhamento antes de desenvolverem os sintomas8 da doença.

Caso as novas recomendações sejam seguidas, mais pessoas vão necessitar de tratamento, aumentando os custos. Mas os gastos com hospitalizações vão diminuir, aumentando a produtividade, já que os infectados poderão trabalhar por mais tempo sem apresentar os sintomas8 da doença. Menos crianças serão abandonadas com o vírus4 e, com a divulgação dos benefícios do início precoce da terapia, mais pessoas ficarão motivadas a fazer testes de HIV1 e a receber aconselhamento sobre a doença.


Fonte consultada: OMS


Leia as recomedações da OMS.

NEWS.MED.BR, 2009. OMS muda recomendações de terapia antiretroviral para o HIV. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/52438/oms-muda-recomendacoes-de-terapia-antiretroviral-para-o-hiv.htm>. Acesso em: 20 nov. 2019.

Complementos

1 HIV: Abreviatura em inglês do vírus da imunodeficiência humana. É o agente causador da AIDS.
2 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
5 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
6 Célula: Unidade funcional básica de todo tecido, capaz de se duplicar (porém algumas células muito especializadas, como os neurônios, não conseguem se duplicar), trocar substâncias com o meio externo à célula, etc. Possui subestruturas (organelas) distintas como núcleo, parede celular, membrana celular, mitocôndrias, etc. que são as responsáveis pela sobrevivência da mesma.
7 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
8 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
9 Sistema imune: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
10 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
11 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
12 Tuberculose: Doença infecciosa crônica produzida pelo bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis). Produz doença pulmonar, podendo disseminar-se para qualquer outro órgão. Os sintomas de tuberculose pulmonar consistem em febre, tosse, expectoração, hemoptise, acompanhada de perda de peso e queda do estado geral. Em países em desenvolvimento (como o Brasil) aconselha-se a vacinação com uma cepa atenuada desta bactéria (vacina BCG).
13 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
14 Neuropatia periférica: Dano causado aos nervos que afetam os pés, as pernas e as mãos. A neuropatia causa dor, falta de sensibilidade ou formigamentos no local.
15 Lipodistrofia: Defeito na quebra ou na fabricação de gordura abaixo da pele, resultando em elevações ou depressões na superfície da pele. (Veja lipohipertrofia e lipoatrofia). Pode ser causada por injeções repetidas de insulina em um mesmo local.
16 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
17 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
18 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
Gostou do artigo? Compartilhe!