Atalho: 55ZNPG8
Gostou do artigo? Compartilhe!

Lançamentos de medicamentos: Sedamed para dores de cabeça, Somavert para tratamento de pacientes com acromegalia e Aclasta para a osteoporose

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Sedamed do Grupo Cimed: para o alívio de dores de cabeça1   


Publicado no Diário Oficial da União o registro do mais novo produto do Grupo Cimed, o Sedamed, composto de dipirona sódica, mucato de isometepteno e cafeína. O analgésico2 e antiespasmódico é indicado para o tratamento de diversos tipos de dores de cabeça1 e de cólicas3.

O isometepteno possui ação analgésica que potencializa a ação da dipirona e é um vasoconstritor craniano efetivo no tratamento da enxaqueca4. Tem também ação espasmolítica (relaxa a musculatura lisa), tratando cólicas3 menstruais, renais e intestinais.

A dipirona tem ação analgésica e antipirética. Não possui efeito sedativo.

A cafeína estimula o córtex cerebral, os centros medulares e outras partes do sistema nervoso central5. Devido a sua ação vasoconstritora no sistema nervoso central5 e inibição dos efeitos das prostaglandinas6, perifericamente está indicada para dores de cabeça1 e enxaquecas7. A cafeína contrai os vasos cerebrais, diminuindo o fluxo sanguíneo e a tensão do oxigênio no cérebro8. Estes efeitos diminuem a dor de cabeça1.


Somavert da Pfizer: novo tratamento para pacientes9 com acromegalia10

A Pfizer acaba de disponibilizar no mercado brasileiro o Somavert (pegvisomanto) para tratametno da acromegalia10. O objetivo do tratamento é normalizar os níveis séricos do hormônio11 de crescimento (IGF-I) com o pegvisomanto.

Ele está indicado para o tratamento da acromegalia10 em pacientes que não tiveram boa resposta ao tratamento cirúrgico e/ou à radioterapia12 ou a outras terapias medicamentosas com bromoergocriptina ou octreotida. É um antagonista13 de receptor de GH (hormônio11 de crescimento).

O objetivo do tratamento é normalizar os níveis séricos do hormônio11 de crescimento (IGF-I) com o pegvisomanto.

O Somavert (pegvisomanto), aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para ser distribuído no Brasil, já é comercializado nos Estados Unidos, México, Argentina e em vários países da Europa e da Ásia.

Os efeitos colaterais14 mais comuns são dor, infecção15, reações no local da aplicação do medicamento, sintomas16 de gripe17, náusea18 e diarréia19.

O medicamento pode influenciar as doses de insulina20 usadas por diabéticos e também de opióides.

 

Aclasta da Novartis: para o tratamento da osteoporose21

Aclasta (ácido zoledrônico) é uma solução para infusão intravenosa indicada para o tratamento da osteoporose21 em mulheres na pós-menopausa22 para reduzir a incidência23 de fraturas de quadril, vertebrais e não-vertebrais e para aumentar a densidade mineral óssea. Está também indicado para o tratamento da doença de Paget do osso.

Está contra-indicado a pacientes com hipersensibilidade ao ácido zoledrônico ou a qualquer excipiente e também a qualquer bisfosfonato, na hipocalcemia24 e durante a gravidez25 e lactação26. Não é recomendado para pacientes9 com insuficiência renal27 grave ou em crianças e adolescentes.

Aclasta contém o mesmo princípio ativo do Zometa (ácido zoledrônico), usado para indicações oncológicas. Um paciente que está sendo tratado com Zometa não deve ser tratado com Aclasta.

Recomenda-se cautela quando administrado juntamente com fármacos que podem impactar significantemente a função renal28, como os aminoglicosídeos ou diuréticos29 que podem ocasionar desidratação30.

NEWS.MED.BR, 2008. Lançamentos de medicamentos: Sedamed para dores de cabeça, Somavert para tratamento de pacientes com acromegalia e Aclasta para a osteoporose. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/novos-medicamentos/23040/lancamentos-de-medicamentos-sedamed-para-dores-de-cabeca-somavert-para-tratamento-de-pacientes-com-acromegalia-e-aclasta-para-a-osteoporose.htm>. Acesso em: 17 set. 2019.

Complementos

1 Cabeça:
2 Analgésico: Medicamento usado para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
3 Cólicas: Dor aguda, produzida pela dilatação ou contração de uma víscera oca (intestino, vesícula biliar, ureter, etc.). Pode ser de início súbito, com exacerbações e períodos de melhora parcial ou total, nos quais o paciente pode estar sentindo-se bem ou apresentar dor leve.
4 Enxaqueca: Sinônimo de migrânea. É a cefaléia cuja prevalência varia de 10 a 20% da população. Ocorre principalmente em mulheres com uma proporção homem:mulher de 1:2-3. As razões para esta preponderância feminina ainda não estão bem entendidas, mas suspeita-se de alguma relação com o hormônio feminino. Resulta da pressão exercida por vasos sangüíneos dilatados no tecido nervoso cerebral subjacente. O tratamento da enxaqueca envolve normalmente drogas vaso-constritoras para aliviar esta pressão. No entanto, esta medicamentação pode causar efeitos secundários no sistema circulatório e é desaconselhada a pessoas com problemas cardiológicos.
5 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
6 Prostaglandinas: É qualquer uma das várias moléculas estruturalmente relacionadas, lipossolúveis, derivadas do ácido araquidônico. Ela tem função reguladora de diversas vias metabólicas.
7 Enxaquecas: Sinônimo de migrânea. É a cefaléia cuja prevalência varia de 10 a 20% da população. Ocorre principalmente em mulheres com uma proporção homem:mulher de 1:2-3. As razões para esta preponderância feminina ainda não estão bem entendidas, mas suspeita-se de alguma relação com o hormônio feminino. Resulta da pressão exercida por vasos sangüíneos dilatados no tecido nervoso cerebral subjacente. O tratamento da enxaqueca envolve normalmente drogas vaso-constritoras para aliviar esta pressão. No entanto, esta medicamentação pode causar efeitos secundários no sistema circulatório e é desaconselhada a pessoas com problemas cardiológicos.
8 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
9 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
10 Acromegalia: Síndrome causada pelo aumento da secreção do hormônio de crescimento (GH e IGF-I) ,quando este aumento ocorre em idade adulta. Quando ocorre na adolescência chama-se gigantismo.
11 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
12 Radioterapia: Método que utiliza diversos tipos de radiação ionizante para tratamento de doenças oncológicas.
13 Antagonista: 1. Opositor. 2. Adversário. 3. Em anatomia geral, que ou o que, numa mesma região anatômica ou função fisiológica, trabalha em sentido contrário (diz-se de músculo). 4. Em medicina, que realiza movimento contrário ou oposto a outro (diz-se de músculo). 5. Em farmácia, que ou o que tende a anular a ação de outro agente (diz-se de agente, medicamento etc.). Agem como bloqueadores de receptores. 6. Em odontologia, que se articula em oposição (diz-se de ou qualquer dente em relação ao da maxila oposta).
14 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
15 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
16 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
17 Gripe: Doença viral adquirida através do contágio interpessoal que se caracteriza por faringite, febre, dores musculares generalizadas, náuseas, etc. Sua duração é de aproximadamente cinco a sete dias e tem uma maior incidência nos meses frios. Em geral desaparece naturalmente sem tratamento, apenas com medidas de controle geral (repouso relativo, ingestão de líquidos, etc.). Os antibióticos não funcionam na gripe e não devem ser utilizados de rotina.
18 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
19 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
20 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
21 Osteoporose: Doença óssea caracterizada pela diminuição da formação de matriz óssea que predispõe a pessoa a sofrer fraturas com traumatismos mínimos ou mesmo na ausência deles. É influenciada por hormônios, sendo comum nas mulheres pós-menopausa. A terapia de reposição hormonal, que administra estrógenos a mulheres que não mais o produzem, tem como um dos seus objetivos minimizar esta doença.
22 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
23 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
24 Hipocalcemia: É a existência de uma fraca concentração de cálcio no sangue. A manifestação clínica característica da hipocalcemia aguda é a crise de tetania.
25 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
26 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
27 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
28 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
29 Diuréticos: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
30 Desidratação: Perda de líquidos do organismo pelo aumento importante da freqüência urinária, sudorese excessiva, diarréia ou vômito.
Gostou do artigo? Compartilhe!