Gostou do artigo? Compartilhe!

Pediatrics: retomada de crescimento de hemangioma infantil após terapia com propranolol

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O propranolol é a terapia de primeira linha para o tratamento dos hemangiomas infantis problemáticos. A retomada do crescimento após a descontinuação do propranolol é observada em 19% a 25% dos pacientes. Fatores preditivos para a recuperação não são completamente compreendidos e podem alterar a abordagem da terapêutica1. O objetivo do estudo foi descrever uma coorte2 de pacientes com hemangiomas problemáticos tratados com propranolol e identificar os fatores preditores para o crescimento de rebote.

Um estudo de coorte3 retrospectivo4 multicêntrico foi realizado em pacientes com hemangiomas problemáticos tratados com propranolol. As características dos pacientes, dos hemangiomas, dos dados demográficos e as especificidades do tratamento com propranolol foram obtidas. Episódios de crescimento de rebote foram registrados e a resposta dos pacientes ao propranolol foi avaliada através de uma escala visual analógica.

Um total de 997 pacientes foi inscrito. A incidência5 de crescimento de recuperação foi de 231 em 912 doentes (25,3%). A idade média de retomada de crescimento inicial foi de 17,1 meses. As chances de crescimento de rebote entre aqueles que interromperam a terapêutica1 com menos de 9 meses foi de 2,4 (odds ratio [OR]: 2,4; intervalo de confiança de 95% [IC]: 1,3 a 4,5; P=0,004) em comparação com aqueles que interromperam a terapêutica1 entre 12 a 15 meses de vida.

Sexo feminino, localização na cabeça6 e pescoço7, padrão segmentar e envolvimento profundo ou misto da pele8 foram associados ao rebote de crescimento na análise univariada. Com a análise multivariada, apenas hemangiomas problemáticos profundos (OR: 3,3; IC 95%: 1,9-6,0; P<0,001) e sexo feminino (OR: 1,7; IC 95%: 1,1-2,6; P=0,03) foram associados. Daqueles com crescimento rebote, 83% necessitaram de modificações terapêuticas, incluindo 62% dos pacientes com modificações em sua terapia com propranolol.

Concluiu-se que o crescimento de rebote ocorreu em 25% dos pacientes, precisando de modificação da terapia sistêmica em 15%. Os fatores preditivos para o crescimento rebote incluíram idade da interrupção do tratamento, o componente profundo do hemangioma e o sexo feminino. Pacientes com esses fatores preditivos podem exigir um curso mais prolongado da terapia.

 

Fonte: Pediatrics, publicação online de 7 de março de 2016

 

NEWS.MED.BR, 2016. Pediatrics: retomada de crescimento de hemangioma infantil após terapia com propranolol. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/821734/pediatrics-retomada-de-crescimento-de-hemangioma-infantil-apos-terapia-com-propranolol.htm>. Acesso em: 21 set. 2019.

Complementos

1 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
2 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
3 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
4 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
5 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
6 Cabeça:
7 Pescoço:
8 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
Gostou do artigo? Compartilhe!