Gostou do artigo? Compartilhe!

Lorazepam no pré-operatório: há mesmo vantagens no uso?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

As pessoas às vezes tomam medicamentos para aliviar a ansiedade antes de uma cirurgia, mas um novo estudo sugere que essas drogas benzodiazepínicas têm poucos efeitos benéficos e podem até retardar a recuperação após o procedimento.

Pesquisadores franceses realizaram um ensaio clínico randomizado1 para avaliar a eficácia da pré-medicação sedativa no perioperatório dos pacientes. Eles estudaram 1.062 pacientes, com menos de 70 anos, internados em cinco hospitais universitários na França, entre janeiro de 2013 e junho de 2014, para a realização de cirurgias com necessidade de anestesia2 geral. Pacientes neurocirúrgicos, de cirurgias obstétricas, cardíacas ou ambulatoriais foram excluídos. O grupo foi dividido aleatoriamente em três subgrupos, cada um deles recebendo 2,5 mg de lorazepam (nome comercial Ativan), placebo3 ou não recebendo medicações antes da cirurgia.

Os pacientes preencheram questionários que avaliaram a ansiedade, os níveis de dor e a qualidade do sono antes da cirurgia e um dia após o procedimento (Evaluation du Vécu de l'Anesthésie Generale; EVAN-G), enquanto os pesquisadores registraram o tempo necessário de entubação e ventilação4 até a recuperação plena do estado de vigília. O estudo foi publicado no The Journal of the American Medical Association (JAMA).

O lorazepam foi associado à amnésia5 pós-cirúrgica e a um tempo mais longo de recuperação das capacidades cognitivas. A qualidade do sono foi prejudicada no grupo do lorazepam, mas não nos outros. Os tubos de ventilação4 foram mantidos em tempos significativamente mais longos no grupo do lorazepam. Os escores de dor não diferiram entre os subgrupos lorazepam e não-medicação, mas houve mais dor no grupo que recebeu o placebo3.

O autor do estudo, Dr. Axel Maurice-Szamburski, um anestesista do Timone Hospital, em Marselha, citou pesquisas recentes que mostram que os benzodiazepínicos são amplamente prescritos antes de cirurgias. E disse que, até o momento, os sedativos não foram avaliados do ponto de vista do paciente.

Os resultados sugerem uma falta de benefícios com o uso rotineiro de lorazepam como pré-medicação sedativa em pacientes submetidos a procedimentos com o uso de anestesia2 geral.

Fonte: The Journal of the American Medical Association (JAMA), de 3 de março de 2015

NEWS.MED.BR, 2015. Lorazepam no pré-operatório: há mesmo vantagens no uso?. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/747207/lorazepam-no-pre-operatorio-ha-mesmo-vantagens-no-uso.htm>. Acesso em: 12 abr. 2021.

Complementos

1 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
2 Anestesia: Diminuição parcial ou total da sensibilidade dolorosa. Pode ser induzida por diferentes medicamentos ou ser parte de uma doença neurológica.
3 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
4 Ventilação: 1. Ação ou efeito de ventilar, passagem contínua de ar fresco e renovado, num espaço ou recinto. 2. Agitação ou movimentação do ar, natural ou provocada para estabelecer sua circulação dentro de um ambiente. 3. Em fisiologia, é o movimento de ar nos pulmões. Perfusão Em medicina, é a introdução de substância líquida nos tecidos por meio de injeção em vasos sanguíneos.
5 Amnésia: Perda parcial ou total da memória.
Gostou do artigo? Compartilhe!