Gostou do artigo? Compartilhe!

The Lancet: mortalidade por rotura de aneurismas de aorta abdominal, lições clínicas de uma comparação de resultados na Inglaterra e nos EUA

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A evolução dos pacientes com aneurisma1 de aorta abdominal2 roto (RAAA) varia de acordo com o país em que o paciente é tratado. Um estudo das diferenças de práticas clínicas pode permitir a formulação de alternativas para melhorar o atendimento desses pacientes.

Dados de pacientes internados em hospital com RAAA, entre 2005 e 2010, provenientes do Hospital Episode Statistics, da Inglaterra, e do Nationwide Inpatient Sample, dos EUA, foram comparados. Os resultados primários foram mortalidade3 intra-hospitalar, mortalidade3 após a intervenção e decisão de seguir o tratamento não corretivo. A mortalidade3 intra-hospitalar e a taxa de tratamento não corretivo foram analisadas por meio de regressão logística binária para cada sistema de saúde4, após ajustes para idade, sexo, ano e índice de comorbidade5 de Charlson.

O estudo incluiu 11.799 doentes com RAAA na Inglaterra e 23.838 pacientes com RAAA nos EUA. A mortalidade3 intra-hospitalar foi menor nos EUA do que na Inglaterra (53,05% [IC 95% 51,26-54,85] vs 65,90%, p<0,0001). A intervenção (reparação aberta ou endovascular) foi oferecida a uma maior proporção de casos nos EUA do que na Inglaterra (19.174 [80,43%] vs 6.897 [58,45%], p<0,0001) e a reparação endovascular era mais comum nos EUA do que na Inglaterra (4.003 [20,88%] vs 589 [8,54%], p<0,0001). A mortalidade3 pós-intervenção foi semelhante em ambos os países (41,77% para a Inglaterra e 41,65% para os EUA). Estas observações persistiram em comparações pareadas por sexo e idade. Em ambos os países, a menor mortalidade3 foi associada ao aumento da utilização de tratamento endovascular, ao aumento do volume de pacientes com RAAA admitidos pelo hospital, à alta capacidade de leitos hospitalares disponíveis, a hospitais de ensino e à admissão dos pacientes em dias úteis. Esses fatores comuns sugerem estratégias para melhorar o tratamento de pacientes com RAAA.

Fonte: The Lancet, volume 383, número 9921, páginas 963-969, de 15 de março de 2014

NEWS.MED.BR, 2014. The Lancet: mortalidade por rotura de aneurismas de aorta abdominal, lições clínicas de uma comparação de resultados na Inglaterra e nos EUA. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/529754/the-lancet-mortalidade-por-rotura-de-aneurismas-de-aorta-abdominal-licoes-clinicas-de-uma-comparacao-de-resultados-na-inglaterra-e-nos-eua.htm>. Acesso em: 11 nov. 2019.

Complementos

1 Aneurisma: Alargamento anormal da luz de um vaso sangüíneo. Pode ser produzida por uma alteração congênita na parede do mesmo ou por efeito de diferentes doenças (hipertensão, aterosclerose, traumatismo arterial, doença de Marfán, etc.).
2 Aorta Abdominal: Porção da aorta que tem início no DIAFRAGMA e termina na bifurcação em artérias ílicas comuns direita e esquerda.
3 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Comorbidade: Coexistência de transtornos ou doenças.
Gostou do artigo? Compartilhe!