Atalho: 66VFBR2
Gostou do artigo? Compartilhe!

Metanfetamina pode levar a maior risco de esquizofrenia, em artigo publicado pelo The American Journal of Psychiatry

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Investigadores japoneses há muito tempo sugerem que a exposição à metanfetamina pode causar uma psicose1 persistente parecida com a esquizofrenia2. Para investigar a relação entre o uso de drogas e, posteriormente, a esquizofrenia2, os autores realizaram um estudo de coorte3 em larga escala com usuários de drogas, inicialmente livres de psicose1 persistente.

Um estudo de coorte3 de base populacional foi realizado utilizando dados de pacientes internados em um hospital da Califórnia, com registros de alta hospitalar de 1990 a 2000. Pacientes internados devido a condições relacionadas com o uso de metanfetaminas (n=42.412) e aqueles internados com doenças relacionadas ao uso de outras drogas (maconha, cocaína, álcool e opioides) foram comparados aos indivíduos hospitalizados por apendicite4 primária (grupo que serviu como comparação para controle). A população relacionada à metanfetamina também foi comparada aos usuários de outras drogas.

A coorte5 de metanfetamina tem um risco significativamente maior de esquizofrenia2 em relação aos grupos de apendicite4 e da cocaína, dos opioides e do álcool, mas não estatisticamente diferente daquele grupo da maconha. O risco de esquizofrenia2 foi maior em todas as coortes de drogas do que no grupo de apendicite4.

Limitações do estudo incluem a dificuldade em confirmar o diagnóstico6 da esquizofrenia2 independente da intoxicação por drogas e a possibilidade de esquizofrenia2 não detectada antes da exposição às drogas.

As conclusões do estudo sugerem que indivíduos com transtornos relacionados ao uso de metanfetamina têm um maior risco de esquizofrenia2 do que aqueles com transtornos devido ao uso de outras drogas, com exceção dos transtornos causados pelo uso da maconha. O risco elevado em usuários de metanfetamina pode ser explicado por mecanismos etiológicos envolvidos no desenvolvimento da esquizofrenia2, mas outras pesquisas precisam ser realizadas para explicar esta hipótese.

Fonte: The American Journal of Psychiatry, em 8 de novembro de 2011

 

 

NEWS.MED.BR, 2011. Metanfetamina pode levar a maior risco de esquizofrenia, em artigo publicado pelo The American Journal of Psychiatry. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/247115/metanfetamina-pode-levar-a-maior-risco-de-esquizofrenia-em-artigo-publicado-pelo-the-american-journal-of-psychiatry.htm>. Acesso em: 18 nov. 2019.

Complementos

1 Psicose: Grupo de doenças psiquiátricas caracterizadas pela incapacidade de avaliar corretamente a realidade. A pessoa psicótica reestrutura sua concepção de realidade em torno de uma idéia delirante, sem ter consciência de sua doença.
2 Esquizofrenia: Doença mental do grupo das Psicoses, caracterizada por alterações emocionais, de conduta e intelectuais, caracterizadas por uma relação pobre com o meio social, desorganização do pensamento, alucinações auditivas, etc.
3 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
4 Apendicite: Inflamação do apêndice cecal. Manifesta-se por abdome agudo, e requer tratamento cirúrgico. Sua complicação mais freqüente é a peritonite aguda.
5 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
6 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
Gostou do artigo? Compartilhe!