Gostou do artigo? Compartilhe!

Pesquisa propõe regra de decisão clínica para prever o abuso em crianças pequenas com base nas características de hematomas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

As características dos hematomas1 podem distinguir os ferimentos abusivos dos não abusivos em crianças pequenas?

Hematomas1 causados ​​por abuso físico são os ferimentos antecedentes mais comuns a serem negligenciados ou diagnosticados erroneamente como não abusivos antes de uma fatalidade ou quase fatalidade relacionadas ao abuso em uma criança pequena.

Hematomas1 ocorrem tanto pelo não abuso quanto pelo abuso, mas as diferenças identificadas por uma regra de decisão clínica podem permitir um reconhecimento melhorado e mais precoce da criança abusada.

O objetivo dessa pesquisa, publicada no JAMA Network Open, foi refinar e validar uma regra de decisão clínica de hematomas1 (RDCH) derivada previamente, a TEN-4 (hematoma2 no tronco, orelha3 ou pescoço4 ou qualquer hematoma2 em uma criança <4,99 meses de idade), para identificar crianças em risco de terem sido fisicamente abusadas.

Leia sobre "Equimoses5: - manchas roxas na pele6", "Abuso sexual de crianças" e "Acidentes domésticos: como evitá-los".

Este estudo transversal prospectivo7 foi realizado de 1º de dezembro de 2011 a 31 de março de 2016, em departamentos de emergência8 de 5 hospitais infantis urbanos. Crianças menores de 4 anos com hematomas1 foram identificadas por meio de exame deliberado. A análise estatística foi concluída em junho de 2020.

As exposições do estudo foram características de hematomas1 em 34 regiões corporais discretas, hematomas1 padronizados, contagens cumulativas de hematomas1 e idade do paciente. A RDCH foi refinada e validada com base nessas variáveis ​​usando análise de particionamento recursivo binário.

Lesão9 por trauma abusivo vs não abusivo foi determinada pelo julgamento consensual de um painel multidisciplinar de especialistas.

Um total de 21.123 crianças foram consecutivamente examinadas para hematomas1 e 2.161 pacientes (idade média [DP], 2,1 [1,1] anos; 1.296 [60%] do sexo masculino; 1.785 [83%] brancos; 1.484 [69%] não hispânicos / latinos) foram inscritos.

O painel de especialistas alcançou consenso em 2.123 pacientes (98%), classificando 410 (19%) como abuso e 1.713 (79%) como não abuso. Uma árvore de classificação foi ajustada para refinar a regra e validada por meio de reamostragem de bootstrap10.

A RDCH resultante foi 95,6% (IC 95%, 93,0% - 97,3%) sensível e 87,1% (IC 95%, 85,4% - 88,6%) específica para distinguir abuso de trauma não abusivo com base na região do corpo machucada (tronco, orelha3, pescoço4, frênulo, ângulo da mandíbula11, bochechas [carnudas], pálpebras12 e subconjuntivas), hematomas1 em qualquer lugar em uma criança de 4,99 meses ou mais jovem ou hematoma2 padronizado (TEN-4-FACESp).

Neste estudo, um achado afirmativo para qualquer um dos 3 componentes da regra de decisão clínica para hematomas1 TEN-4-FACESp em crianças menores de 4 anos indicou um risco potencial de abuso; esses resultados justificam uma avaliação mais aprofundada.

A aplicação clínica desta ferramenta tem o potencial de melhorar o reconhecimento do abuso em crianças pequenas com hematomas1.

Veja também sobre "Trauma psicológico", "Ansiedade infantil", "Abuso sexual de crianças" e "Agressividade - entendendo o conceito e as causas".

 

Fonte: JAMA Network Open, publicação em 14 de abril de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Pesquisa propõe regra de decisão clínica para prever o abuso em crianças pequenas com base nas características de hematomas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1392620/pesquisa-propoe-regra-de-decisao-clinica-para-prever-o-abuso-em-criancas-pequenas-com-base-nas-caracteristicas-de-hematomas.htm>. Acesso em: 15 mai. 2021.

Complementos

1 Hematomas: Acúmulo de sangue em um órgão ou tecido após uma hemorragia.
2 Hematoma: Acúmulo de sangue em um órgão ou tecido após uma hemorragia.
3 Orelha: Sistema auditivo e de equilíbrio do corpo. Consiste em três partes
4 Pescoço:
5 Equimoses: Manchas escuras ou azuladas devido à infiltração difusa de sangue no tecido subcutâneo. A maioria aparece após um traumatismo, mas pode surgir espontaneamente em pessoas que apresentam fragilidade capilar ou alguma coagulopatia. Após um período de tempo variável, as equimoses desaparecem passando por diferentes gradações: violácea, acastanhada, esverdeada e amarelada.
6 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
7 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
8 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
9 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
10 Bootstrap: Em estatística, bootstrap ou bootstrapping é um método de reamostragem proposto por Bradley Efron em 1979, em que pega-se uma amostra e faz reamostragens com substituições. É usado para aproximar distribuição na amostra de um levantamento estatístico, frequentemente para aproximar o viés ou a variância de um conjunto de dados estatísticos, assim como para construir intervalos de confiança ou realizar contrastes de hipóteses sobre parâmetros de interesse. Na maior parte dos casos, não se pode obter expressões fechadas para as aproximações bootstrap, sendo necessário obter reamostragens em um ordenador para colocar o método em prática.
11 Mandíbula: O maior (e o mais forte) osso da FACE; constitui o maxilar inferior, que sustenta os dentes inferiores. Sinônimos: Forame Mandibular; Forame Mentoniano; Sulco Miloióideo; Maxilar Inferior
12 Pálpebras:
Gostou do artigo? Compartilhe!