Gostou do artigo? Compartilhe!

JAMA: exposição ao chumbo na infância pode afetar a personalidade e a saúde mental na idade adulta

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Estudos observacionais anteriores encontraram uma associação entre a exposição pré-natal ou infantil ao chumbo e um aumento do risco de esquizofrenia1 e comportamentos antissociais na vida adulta. Mas esses estudos eram pequenos, limitados a condições psiquiátricas específicas e dependiam de avaliações psicológicas pontuais. Como tal, os pesquisadores ainda precisam explorar rigorosamente como a exposição ao chumbo durante a infância afeta a saúde2 mental ao longo da vida.

Saiba mais sobre "Intoxicação por chumbo3 ou saturnismo4".

Para obter um entendimento mais completo, investigadores nos Estados Unidos, Reino Unido e Nova Zelândia seguiram uma coorte5 de 579 crianças expostas ao chumbo desde o nascimento até os 38 anos de idade. As crianças, nascidas entre 1972 e 1973 em Dunedin, Nova Zelândia, não foram expostas a encanamentos de chumbo ou tintas, mas à gasolina com chumbo usada em carros da década de 1940 até a década de 1990. Durante a década de 70, Dunedin tinha alguns dos maiores níveis de chumbo da gasolina no mundo. O chumbo foi liberado no escapamento de automóveis, contaminando o ar e o solo. Um estudo anterior do JAMA envolvendo as mesmas crianças vinculou a maior exposição de crianças ao chumbo aos menores escores de QI6 e mobilidade social descendente na idade adulta.

O que é único sobre este estudo?

É o maior e mais longo estudo de acompanhamento psiquiátrico envolvendo crianças testadas para exposição ao chumbo até o momento.

A personalidade adulta foi avaliada usando cinco medidas amplas — neuroticismo7, extroversão, abertura à experiência, amabilidade e consciência — sem depender de autorrelato.

Os profissionais de saúde2 avaliaram a coorte5 em entrevistas clínicas a cada 3 a 6 anos, iniciando-se aos 18 anos de idade, pelo Diagnostic and Statistical Manual and Mental Disorderssintomas8 definidos para onze transtornos mentais.

Com base nas entrevistas, scores para 3 dimensões da psicopatologia — transtornos de internalização, externalização e pensamento (experiências psicóticas) — e psicopatologia geral (fator p) foram correlacionadas aos níveis de chumbo no sangue9 (BLLs) na infância.

A extensão da exposição ao chumbo entre as crianças estudadas não dependeu de seu status socioeconômico, removendo um fator de confusão significativo.

O que o estudo mostra:

  • Em 94% das crianças, os BLLs estavam acima do nível para respostas clínicas e ambientais.
  • BLL na infância foi significativamente associado com maior psicopatologia geral e com sintomas8 de internalização e transtorno de pensamento na idade adulta.
  • BLL na infância foi significativamente associado a menor conscienciosidade e amabilidade, e maior neuroticismo7 na idade adulta.
  • As associações entre BLL na infância e a personalidade e psicopatologia do adulto permaneceram significativas mesmo após o ajuste para sexo, QI6 materno, status socioeconômico e histórico familiar de doença mental.
É importante ressaltar que o estudo tem algumas limitações, pois os participantes são predominantemente brancos e confinados a uma geração específica, em uma localização geográfica específica, portanto, não está claro se esses resultados podem se aplicar a populações mais diversificadas em outros países nos dias atuais. Além disso, os BLLs da infância foram medidos apenas uma vez, quando as crianças tinham 11 anos de idade, o que não explica os efeitos cumulativos da exposição ao chumbo.

Como todos os estudos observacionais, os resultados mostram apenas uma associação, não uma relação causal, entre a exposição ao chumbo na infância e a saúde2 mental do adulto e os resultados da personalidade. E essa associação foi modesta — muito menos do que a de outros fatores, como maus-tratos na infância ou história familiar de doença mental.

Os resultados sugerem que a exposição ao chumbo durante a infância pode ter consequências duradouras para a saúde2 mental e personalidade. No entanto, ainda é necessário um melhor entendimento da fisiopatologia10 e é necessária a demonstração de que o chumbo leva a alterações cerebrais que, por sua vez, levam a essas mudanças psicopatológicas.

Apesar do tamanho modesto do efeito da associação, os resultados deste estudo são potencialmente importantes, já que a exposição ao chumbo é um fator de risco11 modificável e muito presente na vida de muitas crianças, por exemplo:

  • Quatro milhões de lares norte-americanos com filhos estão expostos a altos níveis de chumbo.
  • Aproximadamente 500.000 crianças americanas com idades entre 1 e 5 anos têm BLLs superiores a 5 µg/dL, o nível no qual a ação de saúde2 pública é recomendada.

Em 2016, a exposição ao chumbo foi responsável por:

  • 540.000 mortes
  • 13,9 milhões de anos de vida saudável perdidos globalmente.
  • 63,8% da carga global de deficiência intelectual de desenvolvimento idiopática12.

Nenhuma concentração sanguínea de chumbo é segura; seus efeitos neurológicos e comportamentais são considerados irreversíveis.

Veja também sobre "Distonias13" e "Esquizofrenia1".

 

Fonte: JAMA, publicação online, de 27 de março de 2019.

 

NEWS.MED.BR, 2019. JAMA: exposição ao chumbo na infância pode afetar a personalidade e a saúde mental na idade adulta. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1336673/jama-exposicao-ao-chumbo-na-infancia-pode-afetar-a-personalidade-e-a-saude-mental-na-idade-adulta.htm>. Acesso em: 14 nov. 2019.

Complementos

1 Esquizofrenia: Doença mental do grupo das Psicoses, caracterizada por alterações emocionais, de conduta e intelectuais, caracterizadas por uma relação pobre com o meio social, desorganização do pensamento, alucinações auditivas, etc.
2 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
3 Intoxicação por chumbo: Intoxicação aguda ou crônica por chumbo ou por algum de seus sais. Também conhecida como Saturnismo ou Plumbismo, a intoxicação pelo chumbo ocorre quando o chumbo absorvido causa sinais e sintomas tais como náuseas, vômitos, linha azul na gengiva, aumento dos reticulócitos (reticulocitose); hemácias com granulações basófilas e elevada concentração de chumbo no sangue e na urina. Os principais achados clínicos são cólica, anemia, neurite, encefalopatia e tremores.
4 Saturnismo: Intoxicação aguda ou crônica por chumbo ou por algum de seus sais. Também conhecida como Plumbismo, a intoxicação pelo chumbo ocorre quando o chumbo absorvido causa sinais e sintomas tais como náuseas, vômitos, linha azul na gengiva, aumento dos reticulócitos (reticulocitose); hemácias com granulações basófilas e elevada concentração de chumbo no sangue e na urina. Os principais achados clínicos são cólica, anemia, neurite, encefalopatia e tremores.
5 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
6 QI: O QI é utilizado para dimensionar a inteligência humana em relação à faixa etária a que um sujeito pertence. Em 1905, os franceses Alfred Binet e Theodore Simon desenvolveram uma ferramenta para avaliar os potenciais cognitivos dos estudantes, tentando detectar entre eles aqueles que precisavam de um auxílio maior de seus mestres, criando a Escala de Binet-Simon. Outros estudiosos aperfeiçoaram esta metodologia. William Stern foi quem, em 1912, propôs o termo “QI“. O Quociente de Inteligência é a razão entre a Idade Mental e a Cronológica, multiplicada por 100 para se evitar a utilização dos decimais. Seguindo-se este indicador, é possível avaliar se um infante é precoce ou se apresenta algum retardamento no aprendizado. Os que apresentam o quociente em torno de 100 são considerados normais, os acima deste resultado revelam-se precoces e os que alcançam um valor mais inferior (cerca de 70) são classificados como retardados. Uma alta taxa de QI não indica que o indivíduo seja mentalmente são, ou mesmo feliz, e também não avalia outros potenciais e capacidades, tais como as artísticas e as de natureza espiritual. O QI mede bem os talentos linguísticos, os pensamentos lógicos, matemáticos e analíticos, a facilidade de abstração em construções teóricas, o desenvolvimento escolar, o saber acadêmico acumulado ao longo do tempo. Os grandes gênios do passado, avaliados dessa forma, apresentavam uma taxa de aproximadamente 180, o que caracteriza um superdotado.
7 Neuroticismo: Compreende um domínio da personalidade. As características dele são muito associadas a dimensões neuróticas da personalidade, como ansiedade, depressão, tensão, irracionalidade; geralmente apresenta características de baixa auto-estima e tendência a sentimentos de culpa.
8 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
9 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
10 Fisiopatologia: Estudo do conjunto de alterações fisiológicas que acontecem no organismo e estão associadas a uma doença.
11 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
12 Idiopática: 1. Relativo a idiopatia; que se forma ou se manifesta espontaneamente ou a partir de causas obscuras ou desconhecidas; não associado a outra doença. 2. Peculiar a um indivíduo.
13 Distonias: Contração muscular involuntária causando distúrbios funcionais, dolorosos e estéticos.
Gostou do artigo? Compartilhe!