Gostou do artigo? Compartilhe!

FDA aprova primeira vacina contra o câncer uterino

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O FDA aprovou a primeira vacina1 que protege as mulheres contra o câncer2 de colo do útero3, doença que mata pelo menos 7.000 brasileiras por ano. A aprovação no Brasil está sendo aguardada para o segundo semestre. A vacina1 Gardasil (Merck Sharp & Dohme) é recomendada para mulheres entre 9 e 26 anos e previne a infecção4 pelo papilomavírus humano (HPV), que causa o câncer2 de colo uterino5.

A recomendação em idade tão precoce foi feita em razão de a vacina1 funcionar melhor em meninas que ainda não iniciaram a vida sexual e, portanto, não tiveram contato com o HPV. Ela não protege pessoas já infectadas e não imuniza contra todos os tipos de câncer2 uterino - cobre cerca de 70%. No próximo dia 29, o comitê norte-americano de práticas de imunização6 deve definir como será a rotina de vacinação com o novo produto nos EUA.

A capacidade de impedir o aparecimento de colo do útero3, pelo menos a curto prazo, foi demonstrada num ensaio nos estágios finais do estudo sobre a vacina1, patrocinado pelo laboratório norte-americano. O ensaio envolveu mais de 11 mil mulheres de 13 países, com idades entre 16 e 26 anos, que não estavam infectadas com nenhum dos dois tipos de vírus7.

O laboratório fabricante já pediu à Anvisa a licença para comercializar a vacina1 no Brasil. A agência deve dar um parecer a respeito entre setembro e outubro. Se for positivo, a vacina1 entrará no mercado nacional ainda neste ano. A etapa brasileira dos testes clínicos da vacina1 envolveu 3.000 mulheres. A vacina1 tem eficácia de 100% contra infecção4 por quatro tipos de HPV (as linhagens 6, 11, 16 e 18) nas mulheres que ainda não foram expostas ao parasita8.

Fonte: FDA 

NEWS.MED.BR, 2006. FDA aprova primeira vacina contra o câncer uterino. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1316/fda-aprova-primeira-vacina-contra-o-cancer-uterino.htm>. Acesso em: 15 out. 2019.

Complementos

1 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
2 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
3 Colo do útero: Porção compreendendo o pescoço do ÚTERO (entre o ístmo inferior e a VAGINA), que forma o canal cervical.
4 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
5 Colo Uterino: Porção compreendendo o pescoço do ÚTERO (entre o ístmo inferior e a VAGINA), que forma o canal cervical.
6 Imunização: Processo mediante o qual se adquire, de forma natural ou artificial, a capacidade de defender-se perante uma determinada agressão bacteriana, viral ou parasitária. O exemplo mais comum de imunização é a vacinação contra diversas doenças (sarampo, coqueluche, gripe, etc.).
7 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
8 Parasita: Organismo uni ou multicelular que vive às custas de outro, denominado hospedeiro. A presença de parasitos em um hospedeiro pode produzir diferentes doenças dependendo do tipo de afecção produzida, do estado geral de saúde do hospedeiro, de mecanismos imunológicos envolvidos, etc. São exemplos de parasitas: a sarna, os piolhos, os áscaris (lombrigas), as tênias (solitárias), etc.
Gostou do artigo? Compartilhe!