Atalho: 5D8VMKU
Gostou do artigo? Compartilhe!

Osteoporosis International: estudo mostra que apenas 25% das mulheres com osteopenia e 43% das mulheres com osteoporose conhecem seu risco aumentado de sofrer fraturas ósseas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O estudo publicado no jornal Osteoporosis International comparou a percepção sobre o risco de fratura1 e o risco real de fraturas em mais de 60 mil mulheres na pós-menopausa2, com idade acima de 55 anos, usando dados do Global Longitudinal Study of Osteoporosis in Women (GLOW). A maioria das mulheres na pós-menopausa2 desconhecem seu risco real de sofrer uma fratura1 óssea. O GLOW é um estudo de coorte3, internacional e observacional envolvendo mulheres da Europa, América do Norte e Austrália.

Os resultados mostram que, na população estudada, 19% das mulheres acham que seu risco de sofrer fraturas ósseas é um pouco maior do que outras mulheres da mesma idade, 46% acham que o risco é semelhante e 35% acreditam que o risco é um pouco menor. Entre as mulheres com risco aumentado de fraturas pela presença de pelo menos um dos sete fatores de risco para fraturas, a proporção que reconhece seu maior risco foi de 19% para as fumantes e 39% para as que usam glicocorticóides. Apenas 33% daquelas com mais de 2 fatores de risco percebem que têm um risco alto de sofrer fraturas. Entre aquelas com diagnóstico4 de osteopenia e de osteoporose5, apenas 25% e 43%, respectivamente, reconhecem que seu risco é aumentado.

Cerca de 50% das mulheres após os 50 anos terão uma fratura1 óssea relacionada à osteoporose5. No entanto, muitas mulheres idosas não sabem que têm osteoporose5 ou não entendem o que significa este diagnóstico4. Também desconhecem o que podem fazer para prevenir tal patologia6.

Fonte: Osteoporosis International

NEWS.MED.BR, 2010. Osteoporosis International: estudo mostra que apenas 25% das mulheres com osteopenia e 43% das mulheres com osteoporose conhecem seu risco aumentado de sofrer fraturas ósseas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/57854/osteoporosis-international-estudo-mostra-que-apenas-25-das-mulheres-com-osteopenia-e-43-das-mulheres-com-osteoporose-conhecem-seu-risco-aumentado-de-sofrer-fraturas-osseas.htm>. Acesso em: 18 nov. 2019.

Complementos

1 Fratura: Solução de continuidade de um osso. Em geral é produzida por um traumatismo, mesmo que possa ser produzida na ausência do mesmo (fratura patológica). Produz como sintomas dor, mobilidade anormal e ruídos (crepitação) na região afetada.
2 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
3 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
4 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
5 Osteoporose: Doença óssea caracterizada pela diminuição da formação de matriz óssea que predispõe a pessoa a sofrer fraturas com traumatismos mínimos ou mesmo na ausência deles. É influenciada por hormônios, sendo comum nas mulheres pós-menopausa. A terapia de reposição hormonal, que administra estrógenos a mulheres que não mais o produzem, tem como um dos seus objetivos minimizar esta doença.
6 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Complementos

17/04/2010 - Complemento feito por Gicelda
Re: Osteoporosis International: estudo mostra que apenas 25% das mulheres com osteopenia e 43% das mulheres com osteoporose conhecem seu risco aumentado de sofrer fraturas ósseas
Este assunto me interessa muito tenho osteoporose e osteopenia e tenho medo do que possa me acontecer no futuro confesso:Tenho 49 anos e descobri através do exame e já havia menopausado aos 37 anos. Há dois anos os exames confirmaram , acredito que já estava com a doença bem antes.
Agradeço pela informação valiosa!!Parabéns e obrigada!!!

15/04/2010 - Complemento feito por Pedrina
Re: Osteoporosis International: estudo mostra que apenas 25% das mulheres com osteopenia e 43% das mulheres com osteoporose conhecem seu risco aumentado de sofrer fraturas ósseas
Gostei muito do artigo ele me trouxe mais esclarecimentos sobre essa doença, pois tenho um início de osteoporose.
Obrigada.

  • Entrar
  • Assinar