Gostou do artigo? Compartilhe!

Cálcio, vitamina D, produtos lácteos e mortalidade entre os sobreviventes do câncer colorretal: o estudo Cancer Prevention Study-II Nutrition Cohort

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Maior ingestão de cálcio, vitamina1 D e de produtos lácteos estão associados à menor incidência2 de câncer3 colorretal, mas seus impactos na sobrevida4 do câncer3 colorretal ainda não são claros. Foram avaliadas as associações de ingestão de cálcio, vitamina1 D e de produtos lácteos, antes e após o diagnóstico5 de câncer3 colorretal, com todas as causas e mortalidade6 específica por câncer3 colorretal entre os pacientes com este diagnóstico5.

Esta análise incluiu 2.284 participantes de uma coorte7 prospectiva que foram diagnosticados com câncer3 colorretal invasivo, não metastático, depois da linha de base (1992 ou 1993) até 2009. A mortalidade6 foi acompanhada até 2010. Informações sobre fatores de risco pré-diagnóstico5 foram coletadas no questionário de base. Informações pós-diagnóstico5 foram coletadas através de questionários em 1999 e 2003 e estavam disponíveis para 1.111 pacientes.

Um total de 949 participantes com câncer3 colorretal morreu durante o acompanhamento, incluindo 408 por câncer3 colorretal. Em modelos de regressão multivariados e ajustados de riscos proporcionais de Cox, a ingestão total de cálcio pós-diagnóstico5 foi inversamente associada à mortalidade6 por todas as causas (risco relativo [RR] para aqueles no quartil mais alto em relação aos quartis mais baixos de 0,72; IC 95%, 0,53-0,98; p para a tendência=0,02) e teve associação marginalmente e estatisticamente significativa com a redução da mortalidade6 específica para o câncer3 colorretal (RR 0,59; IC 95%, 0,33-1,05; p para a tendência=0,01). Uma associação inversa com a mortalidade6 por todas as causas também foi observada para a ingestão de leite pós-diagnóstico5 (RR 0,72; IC 95%, 0,55-0,94; p para a tendência=0,02), mas não para a ingestão de vitamina1 D. A ingestão de cálcio, vitamina1 D e de produtos lácteos pré-diagnóstico5 não foi associada a quaisquer desfechos de mortalidade6.

Concluiu-se que a maior ingestão de cálcio total e de leite pós-diagnóstico5 pode estar associada a um menor risco de morte entre pacientes com câncer3 colorretal não metastático.

Fonte: Journal of Clinical Oncology, publicação online, de 23 de junho de 2014

NEWS.MED.BR, 2014. Cálcio, vitamina D, produtos lácteos e mortalidade entre os sobreviventes do câncer colorretal: o estudo Cancer Prevention Study-II Nutrition Cohort. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/577977/calcio-vitamina-d-produtos-lacteos-e-mortalidade-entre-os-sobreviventes-do-cancer-colorretal-o-estudo-cancer-prevention-study-ii-nutrition-cohort.htm>. Acesso em: 22 set. 2019.

Complementos

1 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
2 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
3 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
4 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
5 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
6 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
7 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
Gostou do artigo? Compartilhe!