Gostou do artigo? Compartilhe!

Aumento do risco de doença vascular associado à gota, principalmente em mulheres: estudo de coorte realizado no UK Clinical Practice Research Datalink

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O estudo, publicado pelo British Medical Journal (BMJ), teve como objetivo determinar se a gota1 aumenta o risco de incidência2 de doença arterial coronariana (DAC), cerebrovascular (DCV) e doença vascular periférica3 (DVP) em uma grande coorte4 de pacientes de cuidados primários com gota1, uma vez que não houve tais grandes estudos na atenção primária.

Um estudo de coorte5 retrospectivo6 foi realizado utilizando dados do Clinical Practice Research Datalink (CPRD) no Reino Unido. Os riscos de incidência2 de doença arterial coronariana (DAC), cerebrovascular (DCV) e doença vascular periférica3 (DVP) foram comparados em 8.386 pacientes com diagnóstico7 de gota1 e em 39.766 controles, todos com idade acima de 50 anos e sem história vascular8 prévia nos dez anos seguintes ao diagnóstico7 de gota1.

Após análises multivariadas chegou-se aos seguintes resultados:

  • Os homens estavam em maior risco para qualquer evento vascular8 (riscos relativos ou RRs (IC 95%)) RR 1,06 (1,01-1,12), qualquer doença coronariana9 RR 1,08 (1,01-1,15) e doença vascular periférica3 1,18 (1,01-1,38).
  • As mulheres estavam sob maior risco para qualquer evento vascular8, RR 1,25 (1,15-1,35), qualquer doença coronariana9 RR 1,25 (1,12-1,39), e doença vascular periférica3 1,89 (1,50-2,38), mas não para qualquer doença cerebrovascular10.

Concluiu-se que nesta coorte4 de pacientes com mais de 50 anos com gota1, as pacientes do sexo feminino com gota1 estavam em maior risco para eventos vasculares11 incidentes12, mesmo após o ajuste para fatores de risco vasculares11, apesar de uma maior prevalência13 tanto da gota1 quanto de doenças vasculares11 em homens. São necessárias mais pesquisas para estabelecer o motivo para esta diferença entre os sexos.

Fonte: Annals of the Rheumatic Diseases/The Eular Journal, publicação online, de 27 de agosto de 2014

NEWS.MED.BR, 2014. Aumento do risco de doença vascular associado à gota, principalmente em mulheres: estudo de coorte realizado no UK Clinical Practice Research Datalink. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/566287/aumento-do-risco-de-doenca-vascular-associado-a-gota-principalmente-em-mulheres-estudo-de-coorte-realizado-no-uk-clinical-practice-research-datalink.htm>. Acesso em: 22 set. 2019.

Complementos

1 Gota: 1. Distúrbio metabólico produzido pelo aumento na concentração de ácido úrico no sangue. Manifesta-se pela formação de cálculos renais, inflamação articular e depósito de cristais de ácido úrico no tecido celular subcutâneo. A inflamação articular é muito dolorosa e ataca em crises. 2. Pingo de qualquer líquido.
2 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
3 Doença vascular periférica: Doença dos grandes vasos dos braços, pernas e pés. Pode ocorrer quando os principais vasos dessas áreas são bloqueados e não recebem sangue suficiente. Os sinais são: dor e cicatrização lenta de lesões nessas áreas.
4 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
5 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
6 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
7 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
8 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
9 Doença coronariana: Doença do coração causada por estreitamento das artérias que fornecem sangue ao coração. Se o fluxo é cortado, o resultado é um ataque cardíaco.
10 Doença cerebrovascular: É um dano aos vasos sangüíneos do cérebro que resulta em derrame (acidente vascular cerebral). Os vasos tornam-se obstruídos por depósitos de gordura (aterosclerose) ou tornam-se espessados ou duros bloqueando o fluxo sangüíneo para o cérebro. Quando o fluxo é interrompido, as células nervosas sofrem dano ou morrem, resultando no derrame. Pacientes com diabetes descompensado têm maiores riscos de AVC.
11 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
12 Incidentes: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
13 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
Gostou do artigo? Compartilhe!