Gostou do artigo? Compartilhe!

Adenotonsilectomia precoce para tratar a apneia obstrutiva do sono pode aumentar o ganho de peso em crianças: estudo publicado pelo Pediatrics

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A adenotonsilectomia para tratar a síndrome1 da apneia obstrutiva do sono2 (SAOS) em crianças pode levar ao ganho de peso, levando a efeitos deletérios à saúde3 quando conduz à obesidade4. No entanto, dados anteriores vieram de estudos não controlados e não randomizados, limitando as inferências. Este estudo, publicado pelo periódico Pediatrics, analisou as modificações antropométricas em um intervalo de sete meses em um estudo controlado randomizado5 de pacientes submetidos à adenotonsilectomia para a SAOS, o ensaio clínico Childhood Adenotonsillectomy Trial.

Um total de 464 crianças que tinham SAOS (índice médio de apneia6 e hipopneia por hora de sono [IAH/hora] igual ou maior que 5,1/hora), com idades entre 5 a 9,9 anos, foram randomizados para Adenotonsilectomia Precoce (ATP7) ou Conduta Expectante e Cuidados de Apoio (CECA). A polissonografia8 e a antropometria foram realizadas no início e com sete meses de acompanhamento. O modelo de regressão de multivariáveis foi utilizado para prever a alteração dos índices de peso e de crescimento.

Aumento do intervalo no escore z do IMC9 (0,13 vs 0,31) foi observado em ambos os grupos de intervenção CECA e ATP7, respectivamente, mas foi maior no ATP7 (P<0,0001). A modelagem estatística mostrou que o escore z do IMC9 aumentou significativamente mais em associação com a ATP7 depois de considerar as influências do peso inicial e do IAH/hora. Uma maior proporção de crianças com excesso de peso randomizadas para a ATP7 em comparação com as do grupo da CECA desenvolveu obesidade4 no intervalo de sete meses (52% vs 21%, P <0,05). Raça, gênero e acompanhamento do IAH/hora não foram significativamente associados às mudanças no escore z do IMC9.

Os resultados deste estudo mostram que a ATP7 para tratar a SAOS em crianças resulta em ganho de peso clinicamente significativo maior do que o esperado, mesmo em crianças com sobrepeso10 no início do estudo. O aumento da adiposidade em crianças com excesso de peso coloca em maior risco para a SAOS e as consequências adversas da obesidade4. Monitoramento do peso corporal, aconselhamento nutricional e incentivo à atividade física deve ser considerado depois da realização de uma ATP7 para tratar a SAOS.

Fonte: Pediatrics, publicação online, de 28 de julho de 2014 

NEWS.MED.BR, 2014. Adenotonsilectomia precoce para tratar a apneia obstrutiva do sono pode aumentar o ganho de peso em crianças: estudo publicado pelo Pediatrics. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/558352/adenotonsilectomia-precoce-para-tratar-a-apneia-obstrutiva-do-sono-pode-aumentar-o-ganho-de-peso-em-criancas-estudo-publicado-pelo-pediatrics.htm>. Acesso em: 27 fev. 2020.

Complementos

1 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
2 Apnéia obstrutiva do sono: Pausas na respiração durante o sono.
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
5 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
6 Apnéia: É uma parada respiratória provocada pelo colabamento total das paredes da faringe que ocorre principalmente enquanto a pessoa está dormindo e roncando. No adulto, considera-se apnéia após 10 segundos de parada respiratória. Como a criança tem uma reserva menor, às vezes, depois de dois ou três segundos, o sangue já se empobrece de oxigênio.
7 ATP: Adenosina Trifosfato (ATP) é nucleotídeo responsável pelo armazenamento de energia. Ela é composta pela adenina (base azotada), uma ribose (açúcar com cinco carbonos) e três grupos de fosfato conectados em cadeia. A energia é armazenada nas ligações entre os fosfatos. O ATP armazena energia proveniente da respiração celular e da fotossíntese, para consumo imediato, não podendo ser estocada. A energia pode ser utilizada em diversos processos biológicos, tais como o transporte ativo de moléculas, síntese e secreção de substâncias, locomoção e divisão celular, dentre outros.
8 Polissonografia: Exame utilizado na avaliação de algumas das causas de insônia.
9 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
10 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
Gostou do artigo? Compartilhe!