Atalho: 6VNRKDQ
Gostou do artigo? Compartilhe!

Associação inversa entre atividade física e câncer renal: revisão sistemática e meta-análise publicadas pelo British Journal of Cancer

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Pesquisadores do Departamento de Epidemiologia e Medicina Preventiva do Centro Médico da Universidade de Regensburg, na Alemanha, fizeram uma revisão sistemática e meta-análise de dados de literatura publicados no PubMed e no Web of Knowledge para quantificar a relação entre atividade física e risco de câncer1 renal2 em indivíduos sem histórico de câncer1.

A atividade física pode diminuir o risco de câncer1 renal2, reduzindo a obesidade3, pressão arterial4, resistência à insulina5 e peroxidação lipídica. Apesar de mecanismos biológicos plausíveis ligando o aumento da atividade física à diminuição do risco de câncer1 renal2, poucos estudos epidemiológicos têm sido capazes de comunicar uma clara associação inversa entre atividade física e câncer1 renal2. Até o momento não havia uma meta-análise disponível sobre este tópico6.

Seguindo as orientações PRISMA, foi realizada uma revisão sistemática e meta-análise, incluindo informações de 19 estudos com base em um total de 2.327.322 indivíduos e 10.756 casos. A qualidade metodológica dos estudos foi examinada usando um sistema de pontuação global.

Comparando altos níveis versus baixos níveis de atividade física, observou-se uma associação inversa entre a atividade física e o risco de câncer1 renal2. Estimativas de risco de estudos de alta qualidade reforçaram a associação inversa entre a atividade física e o risco de câncer1 renal2. A modificação do efeito de adiposidade, hipertensão arterial7, diabetes mellitus8 tipo 2, tabagismo, sexo ou região geográfica não foi observada.

Esta abrangente meta-análise mostrou que há uma relação inversa entre a prática de atividades físicas e o risco de câncer1 renal2. Futuros estudos de alta qualidade são necessários para discernir que tipo específico, intensidade, frequência e duração dos exercícios físicos são necessários para a redução do risco de câncer1 renal2.

Fonte: British Journal of Cancer1, volume 108, de 5 de março de 2013 

NEWS.MED.BR, 2013. Associação inversa entre atividade física e câncer renal: revisão sistemática e meta-análise publicadas pelo British Journal of Cancer. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/341484/associacao-inversa-entre-atividade-fisica-e-cancer-renal-revisao-sistematica-e-meta-analise-publicadas-pelo-british-journal-of-cancer.htm>. Acesso em: 27 nov. 2020.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
3 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
4 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
5 Resistência à insulina: Inabilidade do corpo para responder e usar a insulina produzida. A resistência à insulina pode estar relacionada à obesidade, hipertensão e altos níveis de colesterol no sangue.
6 Tópico: Referente a uma área delimitada. De ação limitada à mesma. Diz-se dos medicamentos de uso local, como pomadas, loções, pós, soluções, etc.
7 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
8 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
Gostou do artigo? Compartilhe!