Atalho: 5YHNM2L
Gostou do artigo? Compartilhe!

Dexametasona pode reduzir tempo de hospitalização em casos de pneumonias comunitárias, diz estudo publicado pelo The Lancet

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Estudo publicado pelo The Lancet revela que, em pacientes não-imunocomprometidos diagnosticados com pneumonia1 comunitária, a dexametasona pode reduzir o tempo de hospitalização quando adicionada ao tratamento com antibióticos.

Participaram do estudo (duplo-cego, randomizado2, controlado por placebo3) 304 adultos com 18 ou mais anos, os quais foram diagnosticados com pneumonia1 comunitária confirmada e atendidos na emergência4 médica de dois hospitais holandeses. O estudo mostrou que o uso de dexametasona intravenosa (5mg uma vez ao dia), adicionada ao esquema antibiótico, pode reduzir o tempo de hospitalização por diminuir a inflamação5 sistêmica.

Embora os efeitos colaterais6 tenham sido semelhantes nos dois grupos (dexametasona versus placebo3), das 151 pessoas do grupo que recebeu dexametasona, 67 (44%) apresentaram hiperglicemia7, enquanto 35 (23%) dos 153 pacientes do grupo que recebeu placebo3 apresentaram este efeito adverso.

Fonte: The Lancet , publicação online de 1° de junho de 2011

 

 

NEWS.MED.BR, 2011. Dexametasona pode reduzir tempo de hospitalização em casos de pneumonias comunitárias, diz estudo publicado pelo The Lancet. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/219180/dexametasona-pode-reduzir-tempo-de-hospitalizacao-em-casos-de-pneumonias-comunitarias-diz-estudo-publicado-pelo-the-lancet.htm>. Acesso em: 24 out. 2019.

Complementos

1 Pneumonia: Inflamação do parênquima pulmonar. Sua causa mais freqüente é a infecção bacteriana, apesar de que pode ser produzida por outros microorganismos. Manifesta-se por febre, tosse, expectoração e dor torácica. Em pacientes idosos ou imunodeprimidos pode ser uma doença fatal.
2 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
3 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
4 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
5 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
6 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
7 Hiperglicemia: Excesso de glicose no sangue. Hiperglicemia de jejum é o nível de glicose acima dos níveis considerados normais após jejum de 8 horas. Hiperglicemia pós-prandial acima de níveis considerados normais após 1 ou 2 horas após alimentação.
Gostou do artigo? Compartilhe!