Gostou do artigo? Compartilhe!

Ooforectomia bilateral na pré-menopausa aumenta o risco de parkinsonismo e doença de Parkinson

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

As taxas de incidência1 específicas da idade para doença de Parkinson2 (DP) são maiores em homens do que em mulheres em todos os estudos e populações. Homens e mulheres também diferem em seus fatores de risco, manifestações clínicas e resposta ao tratamento para DP.

Essas diferenças foram explicadas em parte por um possível benefício neuroprotetor do estrogênio para os neurônios3 dopaminérgicos. Portanto, a remoção cirúrgica dos ovários4 em mulheres na pré-menopausa5 para a prevenção do câncer6 de ovário7 fornece um teste direto dessa hipótese. No entanto, os resultados até agora têm sido inconsistentes, com 3 estudos apoiando a associação e 2 não.

Para abordar a incerteza causada pela discrepância entre os estudos e pelo poder estatístico limitado de todos os estudos existentes, este novo estudo, publicado pelo JAMA Network Open, testou ainda mais essa associação combinando dados de 2 estudos de coorte8 existentes, o Mayo Clinic Cohort Study of Oophorectomy and Aging 1 e 2 (MOA-1 e MOA-2), que foram baseados no sistema de vinculação de registros médicos do Rochester Epidemiology Project (REP). Além disso, estudou-se se as associações variavam com a idade na ooforectomia9 bilateral e com o recebimento de terapia de reposição de estrogênio após o procedimento.

Uma amostra populacional de 5.499 mulheres de Olmsted County, Minnesota, EUA, foi incluída; dessas, 2.750 mulheres foram submetidas à ooforectomia9 bilateral por indicação benigna antes da menopausa5 espontânea, entre 1º de janeiro de 1950 e 31 de dezembro de 2007 (coorte10 de ooforectomia9), e 2.749 mulheres da mesma idade que não foram submetidas à ooforectomia9 bilateral foram amostradas aleatoriamente da população geral (coorte10 de referência).

Saiba mais sobre "Riscos e benefícios da retirada dos ovários4" e "Doença ou Mal de Parkinson".

Os dados foram analisados de 1º de março a 30 de abril de 2022. A data da ooforectomia9 foi considerada a data índice para ambos os grupos.

Os principais desfechos foram a incidência1 e risco de parkinsonismo ou DP, com diagnósticos confirmados por exame presencial ou revisão de prontuário.

Entre 5.499 participantes (idade mediana [IQR], 45,0 [40,0-48,0] anos; 5.312 [96,6%] brancas), 2.750 mulheres (2.679 brancas [97,4%]) foram submetidas à ooforectomia9 bilateral com idade média de 45,0 anos (IQR, 40,0-48,0 anos) e 2.749 mulheres (2.633 brancas [95,8%]) com idade média de 45,0 anos (IQR, 40,0-48,0 anos) na data do índice foram incluídas na coorte10 de referência.

A ooforectomia9 bilateral foi associada a um risco aumentado de parkinsonismo em geral (taxa de risco [HR], 1,59; IC 95%, 1,02-2,46) e em mulheres com menos de 43 anos na ooforectomia9 (HR, 7,67; IC 95%, 1,77-33,27).

Houve um padrão de risco crescente com a idade mais jovem no momento da ooforectomia9 usando 4 estratos de idade (≥50 anos: HR, 1,43 [IC 95%, 0,50-4,15]; 46-49 anos: HR, 1,55 [IC 95%, 0,79-3,07]; 40-45 anos: HR, 1,36 [IC 95%, 0,64-2,89]; <40 anos: HR, 8,82 [IC 95%, 1,08-72,00]; P para tendência = 0,02).

O número necessário para prejudicar foi de 53 mulheres em geral e 27 mulheres com menos de 43 anos no momento da ooforectomia9.

A ooforectomia9 bilateral também foi associada a um risco aumentado de DP em mulheres com menos de 43 anos na ooforectomia9 (HR, 5,00; IC 95%, 1,10-22,70), com um número necessário para prejudicar de 48 mulheres.

Entre as mulheres submetidas à ooforectomia9 aos 45 anos ou menos, o risco foi menor nas mulheres que receberam estrogênio após o procedimento e até os 50 anos em comparação com as mulheres que não receberam. Para parkinsonismo, os HRs foram 1,72 (IC 95%, 0,54-5,53) vs 2,05 (IC 95%, 0,80-5,23); para DP, os HRs foram 1,53 (IC 95%, 0,29-8,23) vs 2,75 (IC 95%, 0,84-9,04). No entanto, as diferenças não foram significativas.

Neste estudo, mulheres na pré-menopausa5 submetidas à ooforectomia9 bilateral antes dos 43 anos de idade tiveram um risco aumentado de parkinsonismo e doença de Parkinson2 em comparação com mulheres que não foram submetidas à ooforectomia9 bilateral.

Esses achados sugerem que uma redução na prática de ooforectomia9 bilateral profilática em mulheres na pré-menopausa5 com risco médio de câncer6 de ovário7 pode ter um benefício substancial na redução do risco de parkinsonismo e doença de Parkinson2.

Leia sobre "Câncer6 de ovário7" e "10 sinais11 precoces da doença de Parkinson2".

 

Fonte: JAMA Network Open, publicação em 26 de outubro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Ooforectomia bilateral na pré-menopausa aumenta o risco de parkinsonismo e doença de Parkinson. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1428960/ooforectomia-bilateral-na-pre-menopausa-aumenta-o-risco-de-parkinsonismo-e-doenca-de-parkinson.htm>. Acesso em: 5 dez. 2022.

Complementos

1 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
2 Doença de Parkinson: Doença degenerativa que afeta uma região específica do cérebro (gânglios da base), e caracteriza-se por tremores em repouso, rigidez ao realizar movimentos, falta de expressão facial e, em casos avançados, demência. Os sintomas podem ser aliviados por medicamentos adequados, mas ainda não se conhece, até o momento, uma cura definitiva.
3 Neurônios: Unidades celulares básicas do tecido nervoso. Cada neurônio é formado por corpo, axônio e dendritos. Sua função é receber, conduzir e transmitir impulsos no SISTEMA NERVOSO. Sinônimos: Células Nervosas
4 Ovários: São órgãos pares com aproximadamente 3cm de comprimento, 2cm de largura e 1,5cm de espessura cada um. Eles estão presos ao útero e à cavidade pelvina por meio de ligamentos. Na puberdade, os ovários começam a secretar os hormônios sexuais, estrógeno e progesterona. As células dos folículos maduros secretam estrógeno, enquanto o corpo lúteo produz grandes quantidades de progesterona e pouco estrógeno.
5 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
6 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
7 Ovário: Órgão reprodutor (GÔNADAS) feminino. Nos vertebrados, o ovário contém duas partes funcionais Sinônimos: Ovários
8 Estudos de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
9 Ooforectomia: Ablação ou retirada de um ou dos dois ovários.
10 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
11 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
Gostou do artigo? Compartilhe!