Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudo traz novas perspectivas sobre o gasto diário de energia ao longo da vida humana

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notcia

Estudo recente apresenta novas evidências sobre como queimamos calorias1. Como isso poderia mudar nosso entendimento sobre, para começar, doenças crônicas, envelhecimento e obesidade2?

É simples, muitas vezes nos dizem: tudo o que você precisa fazer para manter um peso saudável é garantir que o número de calorias1 que você ingere permaneça igual ao número de calorias1 que você gasta. Se você ingerir mais calorias1 ou energia do que usa, você ganha peso; se o gasto for maior que a ingestão, você perde peso.

Mas, embora estejamos frequentemente conscientes de que queimamos calorias1 quando estamos malhando, 55 a 70 por cento do que comemos e bebemos na verdade serve para alimentar todas as reações químicas invisíveis que ocorrem em nosso corpo para nos manter vivos. “Pensamos no metabolismo3 apenas como um exercício, mas é muito mais do que isso”, diz Herman Pontzer, professor associado de antropologia4 evolutiva na Duke University. “É literalmente o total de quão ocupadas suas células5 estão ao longo do dia.” Descobrir o gasto total de energia informa quantas calorias1 você precisa para se manter vivo. Mas também informa “como o corpo está funcionando”, diz Pontzer. “Não há medida mais direta disso do que o gasto de energia.”

Embora os cientistas venham estudando o metabolismo3 por pelo menos um século, eles não foram capazes de medi-lo com precisão suficiente – em condições do mundo real, em um número suficiente de pessoas, em uma faixa de idade ampla o suficiente – para ver como ele muda ao longo da vida humana.

É claro que quanto maior uma pessoa é, mais células5 ela tem e, portanto, mais calorias1 totais ela queima por dia. Mas tem sido muito mais difícil avaliar se variáveis ​​como idade, sexo, estilo de vida e doença influenciam nossa taxa de gasto de energia.

Leia sobre "Metabolismo3: como influencia na perda e ganho de peso", "O que são calorias1" e "O processo de envelhecimento".

Essa falta de dados levou a suposições enraizadas na experiência pessoal: por exemplo, que mudanças hormonais significativas, como as que ocorrem durante a puberdade e a menopausa6, fazem com que nosso metabolismo3 acelere ou desacelere, levando-nos a queimar mais ou menos calorias1 por dia; ou que os homens têm metabolismos inerentemente mais rápidos do que as mulheres, porque parecem capazes de perder peso com mais facilidade; ou que nosso gasto de energia diminui na meia-idade, iniciando um ganho de peso gradual e inevitável. “Estou na casa dos 40 anos; eu me sinto diferente do que me sentia aos 20 anos – eu também compro essa ideia”, diz Pontzer. “Toda essa intuição nunca foi respaldada por dados. Parecia tão certo.”

Agora, no entanto, um artigo publicado na Science por Pontzer e mais de 80 co-autores revelou que muito do que pensávamos que sabíamos sobre o metabolismo3 estava errado.

Usando dados previamente coletados de mais de 6.400 indivíduos com idades variando de 8 dias a 95 anos, e ajustando o tamanho do corpo e a quantidade de gordura7 e músculos8 presentes, eles descobriram que nosso metabolismo3 geralmente passa por quatro fases distintas na vida.

O metabolismo3 dos recém-nascidos se assemelha ao dos adultos. Então, quando eles têm cerca de um mês de idade, sua taxa metabólica começa a aumentar rapidamente, até entre 9 e 15 meses é mais de 50 por cento maior do que a de um adulto – o equivalente a um adulto queimando cerca de 4.000 calorias1 por dia. (O Departamento de Saúde9 e Serviços Humanos dos Estados Unidos estima que, em média, as mulheres adultas precisam de 1.600 a 2.400 calorias1 por dia e os homens adultos entre 2.000 e 3.000 calorias1.) Nesse ponto, entre 1 e 2 anos de idade, o gasto de energia começa a diminuir e continua caindo até aproximadamente os 20 anos. A partir daí, ele se mantém estável pelos próximos 40 anos, mesmo durante a gravidez10 e a menopausa6; você queima calorias1 tão eficientemente aos 55 quanto aos 25. Por volta dos 60 anos, o gasto de energia começa a cair novamente e continua diminuindo até o fim de nossas vidas.

Os homens, observaram os pesquisadores, não têm metabolismos inatamente mais rápidos do que as mulheres; em vez disso, eles tendem a queimar mais calorias1 por dia para seu tamanho porque normalmente têm uma proporção maior de músculo, que usa mais energia do que a gordura7.

O estudo “aborda uma lacuna realmente significativa em nossa compreensão da fisiologia11 humana básica”, diz Richard Bribiescas, professor de antropologia4 da Universidade de Yale. “É realmente importante não apenas para a ciência básica, mas porque o metabolismo3 – como utilizamos a energia em nosso corpo – é absolutamente central para qualquer compreensão de doença ou bem-estar.”

O tamanho e a diversidade da amostra permitiram aos pesquisadores ver um padrão comum em como o metabolismo3 muda com a idade. Mas ainda havia uma enorme variação nas taxas metabólicas dos indivíduos, destacando o papel significativo que outros fatores, como genes e estilo de vida, provavelmente desempenham em determinar por que pessoas do mesmo tamanho com hábitos semelhantes podem ter gastos de energia diários muito diferentes. Eventualmente, diz Pontzer, mapear as características universais do metabolismo3 humano irá estreitar as possíveis razões para essas disparidades.

Uma vida inteira de mudanças

As medições da energia total e basal em uma grande coorte12 de indivíduos em idades que vão desde antes do nascimento até a velhice documentam mudanças distintas que ocorrem durante a vida humana.

Pontzer et al. relatam que o gasto de energia (ajustado para o peso) em neonatos13 era semelhante ao de adultos, mas aumentou substancialmente no primeiro ano de vida. Em seguida, diminuiu gradativamente até que os jovens atingissem as características adultas, que se mantinham dos 20 aos 60 anos. Indivíduos mais velhos apresentaram redução do gasto energético. O metabolismo3 dos tecidos, portanto, parece não ser constante, mas sim sofrer transições em conjunturas críticas.

Resumo

O gasto energético diário total (“gasto total”) reflete as necessidades energéticas diárias e é uma variável crítica na saúde9 e fisiologia11 humana, mas sua trajetória ao longo do curso de vida é pouco estudada.

Neste estudo, analisou-se um banco de dados grande e diversificado de gastos totais medidos pelo método da água duplamente marcada para homens e mulheres com idade entre 8 dias e 95 anos.

O gasto total aumentou com a massa magra14 de uma maneira de lei de potência, com quatro fases distintas da vida. O gasto ajustado pela massa magra14 acelera rapidamente em neonatos13 para ∼50% acima dos valores de adultos em ∼1 ano; diminui lentamente para os níveis de adulto em cerca de 20 anos; permanece estável na idade adulta (20 a 60 anos), mesmo durante a gravidez10; então diminui em idosos.

Essas mudanças lançam luz sobre o desenvolvimento humano e o envelhecimento e devem ajudar a moldar as estratégias de nutrição15 e saúde9 ao longo da vida.

Veja também sobre "Composição corporal - como avaliar e como melhorar", "Idade metabólica versus idade cronológica" e "O envelhecimento saudável".

 

Fontes:
Science, Vol. 373, Nº 6556, em agosto de 2021.
The New York Times, notícia publicada em 14 de setembro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Estudo traz novas perspectivas sobre o gasto diário de energia ao longo da vida humana. Disponvel em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1401980/estudo-traz-novas-perspectivas-sobre-o-gasto-diario-de-energia-ao-longo-da-vida-humana.htm>. Acesso em: 18 out. 2021.

Complementos

1 Calorias: Dizemos que um alimento tem ”x” calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc.
2 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
3 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
4 Antropologia: Ciência que estuda o homem no sentido mais amplo. Ela engloba origem, evolução, desenvolvimentos físico, material e cultural, fisiologia, psicologia, características raciais, costumes sociais, crenças etc.
5 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
6 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
7 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
8 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
9 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
10 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
11 Fisiologia: Estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
12 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
13 Neonatos: Refere-se a bebês nos seus primeiros 28 dias (mês) de vida. O termo “recentemente-nascido“ refere-se especificamente aos primeiros minutos ou horas que se seguem ao nascimento. Esse termo é utilizado para enfocar os conhecimentos e treinamento da ressuscitação imediatamente após o nascimento e durante as primeiras horas de vida.
15 Nutrição: Incorporação de vitaminas, minerais, proteínas, lipídios, carboidratos, oligoelementos, etc. indispensáveis para o desenvolvimento e manutenção de um indivíduo normal.
Gostou do artigo? Compartilhe!