Gostou do artigo? Compartilhe!

BMJ: tendências gerais sobre suicídio escondem extrema heterogeneidade entre e dentro dos países

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Agências nacionais e internacionais que buscam reduzir o suicídio precisam de dados de mortalidade1 precisos e oportunos para definir metas, avaliar o progresso e identificar as necessidades de intervenção. Os países, no entanto, variam na qualidade das fontes de dados e métodos analíticos usados para produzir estimativas de mortalidade1 específicas por causa, se as produzirem.

O estudo The Global Burden of Disease Study atende a essas preocupações, gerando estimativas comparáveis de morte, incapacidade e lesão2, usando métricas uniformes entre os países e ao longo do tempo. Os pesquisadores fazem correções para vieses conhecidos e incorporam estimativas em uma estrutura de modelagem sofisticada que atrai informações pelo espaço e pelo tempo em áreas onde os dados são fracos ou inexistentes.

Saiba mais sobre "Suicídio".

Em um artigo relacionado, Mohsen Naghavi, professor do Institute for Health Metrics and Evaluation, na University of Washington, em Seattle, e colaboradores analisaram os achados da iteração 2016 do Global Burden of Disease Study e identificaram mudanças notáveis nas taxas de suicídio em todo o mundo. Eles descrevem padrões de mortalidade1 por suicídio e anos de vida perdidos globalmente, regionalmente e para 195 países e territórios por idade, sexo e índice sociodemográfico de 1990 a 2016.

Seus resultados indicam reduções substanciais no suicídio globalmente — um declínio de 33% na taxa de suicídio padronizada por idade entre 1990 e 2016 — mas ressaltam que o suicídio continua sendo uma das principais causas de anos de vida perdidos em muitas partes do mundo. Além disso, as descobertas chamam a atenção para a notável heterogeneidade nas tendências de suicídio entre países e subgrupos demográficos que merecem uma investigação mais aprofundada.

Excepcionalmente altas (Lesoto, Lituânia), crescentes (Zimbábue, Jamaica), baixas (Líbano, Síria) ou em declínio (China, Dinamarca), as taxas de suicídio levantam a questão de se os padrões estimados são reais. A falta de registros completos de dados vitais e de alta qualidade na maioria dos países leva à forte dependência da modelagem; os resultados podem refletir pressupostos de modelagem ao invés de dados subjacentes.

Os denominadores utilizados para as taxas poderiam estar sujeitos a ainda mais incertezas, já que contar as mortes é mais fácil do que contar aqueles com risco de morte. A ferramenta de fontes de entrada de dados do The Global Burden of Disease Study, conhecida como The Global Burden of Disease Study’s Data Input Sources Tool, é útil nesse sentido, pois indica os locais onde é especialmente necessário fortalecer a exatidão e integridade dos sistemas de coleta de dados.

Os resultados também podem refletir problemas de dados como subnotificação, relatórios diferenciais ou erro de classificação da causa da morte devido à natureza sensível e ilegal do suicídio em muitos países. A metodologia do estudo incorpora numerosas forças e inovações que provavelmente aumentam a validade das estimativas de mortalidade1 por suicídio, no entanto, é um desafio corrigir totalmente essas limitações e os intervalos de incerteza relatados não são totalmente responsáveis por elas. Os resultados devem, portanto, ser interpretados com alguma cautela.

Se precisas, as estimativas do estudo podem formar a base dos estudos de acompanhamento para investigar as razões dos aumentos, declínios e desigualdades. Por exemplo, entre 1990 e 2016, as taxas padronizadas de suicídio na China caíram 64% de 23,4 para 8,4 por 100.000, mas as taxas padronizadas para a idade no Zimbábue aumentaram 96% de 14,2 para 27,8 por 100.000. Variação por idade e sexo e a taxa de suicídio entre os diferentes níveis de desenvolvimento é igualmente extensa e intrigante.

A identificação dos principais impulsionadores dessas variações tem o potencial de revelar insights importantes sobre prevenção em vários ambientes. Simultaneamente, a extrema heterogeneidade nas tendências destaca que o suicídio é sociologicamente complexo, tornando necessários estudos de caso detalhados, específicos do contexto, análises empíricas e testes de hipóteses formais.

O amplo escopo do The Global Burden of Disease Study o torna uma excelente ferramenta para a definição de prioridades, mas inevitavelmente envolve compensações. Como a estrutura deve ser relevante e viável para executar 264 causas de morte, ela não incorpora fatores importantes para o suicídio. Este estudo e outras pesquisas sobre a "Carga Global de Doenças", portanto, estabelecem as bases para futuros estudos sobre suicídio para incorporar tais fatores e informar os esforços de prevenção.

Por exemplo, determinar os meios de suicídio é crucial para avaliar e informar intervenções relacionadas a eles, historicamente um dos caminhos mais bem-sucedidos para a prevenção do suicídio. Estimativas globais de “arma de fogo” e “não armas” significam o caminho para a futura incorporação de informações mais detalhadas. As estimativas da sobrecarga atribuível ao uso de drogas e álcool podem ser igualmente aumentadas pela adição de fatores de risco, como acesso aos meios, prevalência3 e tratamento de transtornos mentais, histórico familiar de autoflagelação e exposição à violência.

As descobertas de Naghavi e seus colegas estimularão pesquisas e os resultados podem ser úteis para identificar os lugares e grupos com maior risco de automutilação e estabelecer prioridades para intervenções. Isto é particularmente verdadeiro para países sem sistemas de registros vitais completos, onde tendências e grupos de alto risco não estão bem estabelecidos. À medida que novos dados e métodos surgirem, a atualização regular das estimativas de mortalidade1 por suicídio será necessária para informar pesquisas, políticas e recomendações com as melhores evidências disponíveis.

Veja também sobre "Ferimentos por arma de fogo", "Automutilação", "Depressões" e "Personalidade borderline".

 

Fonte: BMJ, em 6 de fevereiro de 2019

 

NEWS.MED.BR, 2019. BMJ: tendências gerais sobre suicídio escondem extrema heterogeneidade entre e dentro dos países. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/1333663/bmj-tendencias-gerais-sobre-suicidio-escondem-extrema-heterogeneidade-entre-e-dentro-dos-paises.htm>. Acesso em: 26 abr. 2019.

Complementos

1 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
2 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
3 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
Gostou do artigo? Compartilhe!