Atalho: 7014DKE
Gostou do artigo? Compartilhe!

Academia Americana de Neurologia: a suspensão de aspirina ou varfarina antes de procedimentos dentários em pacientes que tiveram AVC isquêmico pode não ser necessária

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Os pacientes que tomam aspirina ou varfarina para a prevenção após um acidente vascular cerebral1 (AVC) não precisam parar a medicação para serem submetidos a procedimentos odontológicos e, provavelmente, poderão manter a medicação em outros procedimentos médicos menores, segundo recomendações do novo protocolo da Academia Americana de Neurologia.

Pacientes com AVC submetidos a procedimentos odontológicos devem rotineiramente continuar a aspirina (Nível A). Pacientes com AVC submetidos à anestesia2 ocular invasiva, cirurgia de catarata3, procedimentos dermatológicos, biópsia4 transretal da próstata5 guiada por ultrassonografia6, procedimentos espinhal/epidural7 e cirurgia do túnel do carpo devem provavelmente continuar a aspirina (Nível B). Alguns pacientes com AVC submetidos à cirurgia vítreo8-retiniana, eletromiografia9, biópsia4 transbrônquica de pulmão10, polipectomia por colonoscopia11, endoscopia12 digestiva alta, biópsia4/esfincterotomia e biópsias13 abdominais guiadas por ultrassonografia6, possivelmente, devem continuar a aspirina (Nível C).

Pacientes com AVC que requerem o uso de varfarina devem rotineiramente continuá-la quando submetidos a procedimentos odontológicos (Nível A) e, provavelmente, continuá-la em procedimentos dermatológicos (Nível B). Alguns pacientes submetidos à eletromiografia9, procedimentos de próstata5, herniorrafia inguinal e ablação14 endotérmica da veia safena magna devem, possivelmente, continuar a varfarina (Nível C). Considerando que os neurologistas devem aconselhar que a varfarina provavelmente não aumente o sangramento de maneira clinicamente importante em anestesia2 ocular (Nível B), outros estudos oftalmológicos faltam para determinar com precisão estatística as recomendações (Nível U). Os neurologistas devem aconselhar que a varfarina pode aumentar o sangramento na polipectomia por colonoscopia11 (Nível C). Não há evidência suficiente para apoiar ou refutar a terapia ponte com heparina durante procedimentos para reduzir os eventos tromboembólicos em pacientes cronicamente anticoagulados (Nível U). Os neurologistas devem aconselhar que a terapia ponte é provavelmente associada com o aumento do risco de hemorragia15 em comparação com a cessação da varfarina (Nível B). A diferença de risco em comparação com a varfarina contínua é desconhecida (Nível U).

As recomendações englobam o clopidogrel (Plavix) ou anticoagulantes16 mais recentes e não devem ser extrapoladas para outros agentes.

Fonte: Neurology - The Official Journal of the American Academy of Neurology, volume 80, de maio de 2013 

NEWS.MED.BR, 2013. Academia Americana de Neurologia: a suspensão de aspirina ou varfarina antes de procedimentos dentários em pacientes que tiveram AVC isquêmico pode não ser necessária. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/356834/academia-americana-de-neurologia-a-suspensao-de-aspirina-ou-varfarina-antes-de-procedimentos-dentarios-em-pacientes-que-tiveram-avc-isquemico-pode-nao-ser-necessaria.htm>. Acesso em: 17 set. 2019.

Complementos

1 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
2 Anestesia: Diminuição parcial ou total da sensibilidade dolorosa. Pode ser induzida por diferentes medicamentos ou ser parte de uma doença neurológica.
3 Catarata: Opacificação das lentes dos olhos (opacificação do cristalino).
4 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
5 Próstata: Glândula que (nos machos) circunda o colo da BEXIGA e da URETRA. Secreta uma substância que liquefaz o sêmem coagulado. Está situada na cavidade pélvica (atrás da parte inferior da SÍNFISE PÚBICA, acima da camada profunda do ligamento triangular) e está assentada sobre o RETO.
6 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
7 Epidural: Mesmo que peridural. Localizado entre a dura-máter e a vértebra (diz-se do espaço do canal raquidiano). Na anatomia geral e na anestesiologia, é o que se localiza ou que se faz em torno da dura-máter.
8 Vítreo: 1. Substância gelatinosa e transparente que preenche o espaço interno do olho. 2. Com a transparência do vidro; claro, límpido, translúcido. 3. Relativo a ou próprio de vidro.
9 Eletromiografia: Técnica voltada para o estudo da função muscular através da pesquisa do sinal elétrico que o músculo emana, abrangendo a detecção, a análise e seu uso.
10 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
11 Colonoscopia: Estudo endoscópico do intestino grosso, no qual o colonoscópio é introduzido pelo ânus. A colonoscopia permite o estudo de todo o intestino grosso e porção distal do intestino delgado. É um exame realizado na investigação de sangramentos retais, pesquisa de diarreias, alterações do hábito intestinal, dores abdominais e na detecção e remoção de neoplasias.
12 Endoscopia: Método no qual se visualiza o interior de órgãos e cavidades corporais por meio de um instrumento óptico iluminado.
13 Biópsias: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
14 Ablação: Extirpação de qualquer órgão do corpo.
15 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
16 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
Gostou do artigo? Compartilhe!